()

A aorta é a maior artéria do corpo humano e carrega sangue rico em oxigênio para o resto do corpo. A parede da aorta é bastante elástica e consegue esticar e voltar ao normal o suficiente para se adaptar ao fluxo sanguíneo e ao bombeamento do coração. Entretanto, algumas situações médicas podem enfraquecer a parede arterial. Esses fatores, juntamente com pequenas lesões que ocorrem com a idade, podem enfraquecer a parede aórtica, que acaba esticando e abaulando para fora, como um balão. O aneurisma de aorta é um abaulamento ou dilatação da artéria. Quando dilatada, a parede arterial fica mais fraca ainda, podendo romper e levando a uma situação de vida ou morte. O aneurisma roto, quando rompe, é a 10˚ causa de morte em homens de 65 a 74 anos nos Estados Unidos. Nós, no Brasil, não temos estatísticas detalhadas.

Fatores de risco para o aneurisma de aorta:

  • Tabagismo: 90% das pessoas com aneurisma fumaram
  • Pressão Alta / Hipertensão: distende a parede da aorta
  • Sexo masculino
  • Genética: condições herdadas podem afetar os tecidos conectivos
  • Idade: com a progredir da idade, a parede arterial fica mais fraca e menos elástica
  • Infecções: algumas infecções durante a vida podem danificar a aorta. Temos que ficar atento ao retorno da Sífilis e seu longo período de incubação.
  • Inflamação: a aorta inflamada, com cicatrizes fica mais frágil
  • Trauma: Quedas e acidentes automobilísticos podem danificar a aorta

Exames e testes:

Aneurismas de aorta devem ser suspeitos ou diagnosticados no exame físico do abdome ou por exames de imagem que podem determinar a localização, tamanho e velocidade de crescimento:

  • Ultrassom abdominal: teste não invasivo e indolor baseado em ondas de som. Permite visualizar a aorta e ilíacas com grande precisão. É excelente exame para rastreamento, mas não para planejamento terapêutico.
  • Tomografia computadorizada: baseada no raio X, permite avaliar não só a aorta, mas todos os órgãos adjaentes, e outras doenças da aorta, como a dissecção aórtica e trombos.

Tratamento:

O tratamento para os aneurismas depende de seu tamanho e localização. Se o aneurisma é pequeno (menor que 5cm de diâmetro) e não há sintomas, seu médico pode aconselhar a observação com tratamento clínico e acompanhamento com exames seriados. Parar de fumar e controlar a pressão alta são essenciais. Medicamento para diminuir o colesterol junto com programas de exercícios físicos, programas para parar de fumar e uma dieta saudável para o coração podem ser de grande ajuda. Não farão o aneurisma diminuir, mas ajudarão a prevenir o seu aumento.

Entretanto, se o seu aneurisma é grande, ou se ele está crescendo rápido (mais de 1cm por ano), a cirurgia pode ser o melhor tratamento.

 

Leia mais:

O que você achou deste artigo?

Clique nas estrelas

Média da classificação / 5. Número de votos:

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Como você achou esse post útil...

Sigam nossas mídias sociais

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você!

Vamos melhorar este post!

Diga-nos, como podemos melhorar este post?

nv-author-image

Alexandre Amato

O Dr Alexandre Amato é médico, professor de cirurgia vascular da Universidade de Santo Amaro (UNISA), e tem quatro especialidade médicas reconhecidas pelo MEC e respectivas sociedades: cirurgião geral, cirurgião vascular, angiorradiologista e ecografista. Formou-se na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e especializou-se em vários hospitais privados e públicos em São Paulo. Aprofundou-se em cirurgia vascular em Milão, no hospital San Raffaele da Università Vita-Salute. Quando voltou, fez seu doutorado em cirurgia cardiotorácica na Universidade de São Paulo (USP). Fundou a Associação Brasileira de Lipedema para divulgar conhecimento de qualidade às mulheres portadoras de Lipedema.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.