fbpx Como evitar e tratar vasinhos e varizes. | Clínica Vascular SP
De volta ao topo

Como evitar e tratar vasinhos e varizes.

Marque já sua consulta com o vascular

Como evitar e tratar vasinhos e varizes.
Como evitar e tratar vasinhos e varizes.

Entrevista com o Prof. Dr. Alexandre Amato sobre como Evitar e Tratar Vasinhos e Varizes no programa  "Análise Direta" com a entrevistadora Paty Biasi.

 

 

Transcrição

Paty: Olá, está começando mais um programa Análise Direta, com mais um assunto importante para debater hoje e você pode participar enviando as suas perguntas através do facebook.com/programasalisedireto. Nós transmitimos aqui diretamente dos estúdios de São Paulo para o Brasil inteiro e mais 55 países. Hoje vamos falar dos terríveis vasinhos e varizes, que surgem principalmente nas pernas. O principal fator determinante para o surgimento desse problema é a pré-disposição genética, em algum momento da vida eles podem até devem aparecer, mas a boa notícia é que esse surgimento pode ser retardado com bons hábitos de vida. Afinal quando você tira os sapatos no fim do dia as suas pernas ficam com marcas das meias? O meu convidado de hoje é o cirurgião vascular doutor Alexandre Amato, tudo bem? Seja bem-vindo.

Dr. Alexandre: Muito obrigado, muito prazer. Estou muito feliz d ter sido convidado aqui conversar sobre esse assunto que é muito importante.

Paty: O prazer é nosso, obrigada pela atenção. Qual é a diferença entre vasinho e varizes?

Dr. Alexandre: Pergunta difícil logo de cara? Bom, doença venosa ela atua em veias de diversos tamanhos. Os vasinhos são as veias menores mais finas com menos de 3 milímetros e seriam caracterizadas ai como os vasinhos dilatados e as varizes seriam os vasos maiores do que 3 milímetros, mas ambos fazem parte da mesma doença. Então no consultório chegam e falam “ah, doutor eu não tenho varizes, tenho varizes”, mas é a mesma coisa, são tamanhos diferentes de vasos só isso, a doença é a mesma...

Paty: É a mesma?

Dr. Alexandre: É a mesma e tratamento pode ser diferente, mas a doença é a mesma.

Paty: E precisa do tratamento...? É perigoso a pessoa deixar para lá e não tratar?

Dr. Alexandre: A doença venosa ela tem uma característica muito interessante, que ela é uma doença de uma progressão muito lenta e benigna, então, ninguém vai morrer de varizes, isso não acontece. O que não pode é ignorar a existência da doença, então é muito comum a pessoa ver um vaso ou uma veia varicosa pensa assim “ah, problema pequeno vou deixar lá para frente” vai empurrando, empurrando e com o tempo isso que era um probleminha pequeno no começo (ininteligível) problema maior ou mais difícil para resolver também no futuro. Então, o importante é não ignorar a doença, ela deve ser tratada, tem vários tratamentos, mas e ai a gente pode (ininteligível) sobre isso, mas não ignorar a existência desses vasinhos.

Paty: Pode trazer algum outro tipo de complicação, se a pessoa deixar para depois?

Dr. Alexandre: Pode. Varizes, primeiro que trazem sintomas, então os sintomas das doenças venosas são principalmente, inchaço e dor. O Inchaço normalmente ocorre mais para o final do dia dependendo da gravidade da doença pode começar mais cedo e a dor é uma sensação de cansaço, peso, muitas vezes as pessoas não consegue nem caracterizar como dor e como é uma doença de evolução muito lenta como eu disse, as pessoas imaginam que, “poxa, trabalhei o dia inteiro estou chegando em casa com a perna pesada isso é normal”, mas não, não é, isso pode ser um sintoma da doença venosa.

Paty: quais são os cuidados que a pessoa deve tomar para evitar o aparecimento da doença venosa?

Dr. Alexandre: Bom, como você mesmo já disse o principal é uma característica genética das varizes primárias, varizes secundária é secundária a alguma doença, não vamos entrar nesse aspecto da doença que é um pouquinho mais complicado, vamos falar das varizes primárias são mais prevalentes mais comum e acho o que é o que pode ser evitado. Então, tendo a doença genética a gente não consegue mudar, não existe terapia genica, não tem como mudar o DNA da pessoa para evitar o problema no futuro, o que a gente pode fazer é evitar os fatores de agravo ou os fatores predisponentes. Então, primeiro alimentação saudável para não ganhar peso, pois a obesidade é um dos fatores de risco importante, tendo a genética pode se fazer a prevenção com o suo de meia elástica obviamente indicado pelo seu médico e exercício físico, exercício físico é essencial, a musculatura da panturrilha quando ela contrai ela bombeia o sangue para cima, então se a gente tem uma musculatura boa atuante bombeando o sangue de volta para o coração a gente consegue evitar os sintomas venosos e muitas vezes até atrasa um pouquinho o aparecimento da doença. Então, evitar ganho de peso, uso da meia elástica se tiver algum problema e exercício físico, são os principais.

Paty: qual exercício físico que é mais apropriado para evitar que a pessoa tenha varizes?

Dr. Alexandre: Eu gosto muito de indicar os exercícios que não tem impacto, então porque chega-se no meu consultório com queixa de dor na perna e se eu passo um exercício que tem muito impacto eu posso trocar uma dor por outra, então... ah, começa a bater o pé no chão começa a ter dor no joelho resolve o problema da dor das varizes, mas passa a ter dor no joelho ou por alguma outra razão. Então, o que eu gosto de sugerir mesmo são os exercícios na água hidroginástica, natação, são exercícios saudáveis e não tem um impacto grande e que ajudam a fortalecer a musculatura, mas obviamente os outros exercícios também ajudam não é que não devem fazer, se caminha e tem um bom habito mantenha.

Paty: Ficar com as pernas para cima ajuda ou isso é mito?

Dr. Alexandre: Ficar com as pernas para cima é uma excelente maneira de facilitar o retorno venoso a gravidade ajuda a retornar o sangue para o coração então diminui sintoma quem tem doença e coloca a perna para cima sente um alivio dos sintomas.

Paty: Mas e fazer isso, por exemplo, todo dia a pessoa... para evitar ter adianta ou é mito?

Dr. Alexandre: Teoricamente pode ajudar, mas teria que ficar muito tempo com a perna para cima para ter um feito, eu se fosse focar em alguma coisa o exercício físico eu acredito que tem um efeito benéfico maior do que só ficar com a perna para cima.

Paty: Musculação também ajuda?

Dr. Alexandre: Musculação, bom, lógico, logico, fortalecer os grupos musculares das pernas.

Paty:E a questão da alimentação é só por causa mesmo do ganho de peso?

Dr. Alexandre: É, não existe nenhum alimento que piora as varizes ou que melhora, então não tem nenhum alimento milagroso ou um alimento infernal, vamos dizer assim, o que a gente tem que focar é manter um peso saudável nem muito magro, nem muito gordo, nem grandes variações, alimentar-se saudavelmente isso eu estou falando de varizes, obviamente tem outras doenças vasculares que se beneficiam de algumas dietas mais especificas, por exemplo, aterosclerose evitando alimento muito gorduroso e tudo mais. Então, quando a gente fala só de varizes é não ganhar peso.

Paty: A viagem de avião a gente ouve falar ai de gente que tem problemas no avião, teve agente até que já morreu por causa disso, ai foram ver era por causa das varizes que a pessoa tinha, o que aconteceu?

Dr. Alexandre: É a trombose venosa profunda evoluindo para uma embolia pulmonar, como eu disse logo no começo, varizes não mata, trombose venosa profunda também difícil, mas ainda a embolia pulmonar que é uma complicação disso tudo e é uma sequência pode sim matar. Então viagem de avião principalmente as viagens prolongadas eu não estou falando aqui de viagem de 1 hora, 2 horas eu estou falando viagens mais longas, quando  a gente fica muito tempo sentado parado a musculatura não está bombeando o sangue para cima então há uma estase venosa esse sangue fica represado com risco maior de formar coágulos que seriam então a trombose venal profunda, mas é bem interessante essa pergunta de avião, porque é muito difícil a gente fazer um trabalho cientifico avaliando todo mundo que entra no avião e se vai ter ou não vai ter trombose, imagina alguns cientista maluco falando “olha, eu vou colocar todo mundo no avião, quando a gente chegar numa viagem depois de 14 horas a gente vai fazer uma fila aqui e vamos fazer exame em todo mundo para ver se um teve trombose ou não” impossível, então a gente usa estratégias diferentes de pesquisa para chegar nessa conclusão, tem um trabalho muito interessante que eu gosto de citar que mostrou que quem tinha trombose e tinha viajado de avião estava sentado na janelinha, então...

Paty: ‘Nossa’!

Dr. Alexandre: É, é bem curioso isso. Então ele fez o caminho inverso, ele procurou as pessoas que tinham trombose procuraram o serviço de saúde e o que aconteceu com essas pessoas? “ah, estava no avião, ótimo, onde você estava sentado? Quem estava no corredor não tinha trombose quem tinha trombose estava sentado na janelinha” é assim, sugere-se, a gente não pode falar com certeza absoluta é porque quem está sentado na janelinha se movimenta menos, tem o receio de levantar ir ao banheiro, andar no corredor e acaba se movimentando menos e o risco acaba sendo maior” eu por prevenção sempre pego o corredor, mas existem alternativas como...

Paty: Engraçado eu sempre sentei na janela, voei sempre na janelinha.

Dr. Alexandre: Ainda bem que tem alguém que senta na janela, porque senão não vai ter vaga no corredor.

Paty: Não vai ter vaga para vocês...

Dr. Alexandre: Mas o uso da meia elástica pode fazer a mesma coisa, então uma meia elástica de leve compressão para quem não tem doença é o suficiente para comprimir o sistema venoso superficial e facilitar esse retorno venoso diminuindo não só a chance de ter uma trombose venosa no avião, como também o inchaço quem nunca tirou o sapato na avião, viajou e quando vai colocar o sapato no final o sapato não entra?

Paty: É aconteceu comigo já numa viagem longa que eu fiz.

Dr. Alexandre: É muito frequente.

Paty: Eu fui colocar falei “meu Deus como está inchado meu pé?” estava enorme.

Dr. Alexandre: É muito frequente. Antigamente quando tinha um espaço maior no avião a gente ainda tentava colocar a perna para cima, mas agora a classe foi diminuindo, diminuindo, diminuindo você não consegue colocar a perna para cima de jeito nenhum.

Paty: Muito apertado.

Dr. Alexandre: Pois é.

Paty: Mas funciona se, por exemplo, a pessoa se movimentar sentada mesmo? A perna às vezes.

Dr. Alexandre: Ajuda, fazer esse movimento aqui com os pés de contração da musculatura com certeza ajuda.

Paty: E procurar sempre dar uma levantadinha...

Dr. Alexandre: Esse é o ideal, esse é o ideal, caminha vai e volta no corredor a cada uma hora dá uma andadinha ai de 5 – 10 minutos é o suficiente para manter a bomba periférica o coração periférico... o coração periférico que é o coração funcionando e diminuindo os sintomas. Isso vale também para quem não tem doença venosa é uma pergunta genérica para todo mundo.

Paty: Tá, então até mesmo quem nunca tenha tido problema com isso é recomendável que use uma meia...?

Dr. Alexandre: Ou que pelo menos se movimente mais no avião, isso com certeza absoluta.

Paty: Isso é em viagens mais longas...?

Dr. Alexandre: Mais prolongadas ou pelo menos de 4 – 5 horas para cima a gente começa a se preocupar.

Paty: Agora, tem especifico na hora da escolha das meias, porque tem gente que vai compra ah, não sabe qual o tamanho ideal que deve usar, se tem que usar compressão média, tem fraca, média e forte...?

Dr. Alexandre: Essa pergunta é importantíssima e pega num ponto crucial da doença em si. Então, eu vou falar sem falar marca nenhuma de meia de uma forma genérica e que vale para todas, então meia elástica existe de várias compressões a gente separa normalmente em três grupos que é meia, leve e alta compressão, média e alta compressão são meias de indicação médica teoricamente não é para conseguir comprar uma meia dessas sem uma receita, porque elas possuem contraindicação e tem que ser avaliado se o paciente tem ou não essa contraindicação para usar a meia. Meia de leve compressão não, não tem essa obrigação, mas tem um porem muito grande ai, existem diversas marcas no mercado e existem diversas pernas no mundo, então existem pernas com panturrilha larga, canela fina o contrário canela larga, panturrilha mais fina e o princípio básico da meia elástica é uma compressão graduada então ela vai comprimindo mais embaixo e menos em cima. Se a gente usa uma meia genérica que teoricamente serviria em toda perna e um paciente com uma perna diferente do outro vai ter uma atuação diferente, como que funciona isso? Então, para comprar uma meia elástica sua perna tem que ser medida, então tem que se usar uma fita métrica e medir a circunferência da panturrilha, do tornozelo no mínimo e procurar a meia que se adapta a sua perna, então comprar uma meia ir na farmácia pegar uma meia da Stand porque é tamanho ‘p”, ‘m’, ou ‘g’ é certeza absoluta que vai estar usando uma meia que não é adequada no seu caso. Então, quem usa uma meia não adequada pode acontecer de tudo, desde não funcionar para nada até eu já vi até caso de trombose por causa de uso de meia inadequada.

Paty: ‘Nossa’ ‘gente’.

Dr. Alexandre: É ela forma um garrote aperta demais da conta e o sangue...

Paty:Em vez de ajudar, piora.

Dr. Alexandre: Exatamente. Então, eu não sugiro comprar em farmácia em casa de materiais médicos cirúrgicos normalmente, então obviamente eu estou generalizando aqui, o vendedor sabe medir a perna e ele vai usar uma tabelinha da marca da meia para identificar qual que é a meia que serve para aquela perna, esse negócio é tão importante que já existe a evolução que é o paciente entra num equipamento o scanner 3D que scaneia a sua perna e ai essa vai se procurar que serve para esse modelo de perna e se não tiver ele imprimi numa impressora 3D e vai imprimir a meia para essa pessoa. Então é o avanço esse...

Paty: Mas isso é só em lojas assim especificas.

Dr. Alexandre: Muito, muito, muito especificas. E eu acabo recomendando esse tipo de meia é só para quem tem uma perna muito fora do usual, porque quem tem uma perna mais comum é mais fácil encontrar meia no mercado.

Paty:Ok. Eu vou fazer uma pequena pausa agora para o intervalo, mas já, já a gente volta falando mais sobre varizes, Não sai daí. 

Paty: Estamos de volta com o programa Analise Direta, transmitido para o Brasil inteiro mais 55 países. Hoje nós estamos falando sobre varizes e vasinhos com o doutor Alexandre Amato, que é cirurgião vascular. A gente conversou ai sobre várias questões ai no primeiro bloco e eu ia perguntar da gravidez, mas tive que encerrar o bloco. Vamos conversar um pouquinho sobre a gravidez, ela pode provocar as varizes, os vasinhos?

Dr. Alexandre: Bom, a gravidez é um fator de piora importantíssimo, mas também quem engravida e não tem nada de varizes, por que? Porque a genética continua sendo um fator importante. Então, se a pessoa não tem o fator genético a probabilidade de ter varizes por causa da gravidez é pequena. Agora, quem tem a doença venosa, quem tem a genética e engravida a gravidez vai ser um fator de piora muito, muito importante, então, por que? Bom, a gravidez em primeiro lugar altera a questão hormonal da mulher assim abruptamente e com doses muito grandes de hormônio e o hormônio feminino ele atua diretamente na parede do vase e nas válvulas que fazem o retorno venoso, danificando essas válvulas, então existe o fator hormonal da gravidez para a piora das varizes, mas também tem o aumento da barriga e compressão das veias, isso também vai diminuir o retorno venoso que piora as varizes, também útero grande, bebê lá dentro, bebê precisa de sangue e vai haver uma competição de sangue entre a região pélvica da mulher e o útero e o bebê e essa competição também vai haver um roubo desse fluxo pelo sistema uterino também é um fator de piora.

Paty: ‘Nossa’ muitos fatores...

Dr. Alexandre: Muitos fatores. A mulher também quando está gravida ela caminha de forma diferente não sei se já percebeu, mas a mulher ela muda a maneira de pisar, essa maneira de pisar também muda a dinâmica da musculatura da panturrilha diminuindo o retorno venoso, então a gente soma vários fatores e a gravidez acaba sendo um problema grande para quem tem varizes, mas pelo amor de Deus, não deixem de engravidar por causa de medo de varizes, não é isso que eu estou falando, é só prevenir.

Paty: Com meias?

Dr. Alexandre: Existem meias adequadas para mulher gravida, então no início da gravidez são meias mais simples, depois tem as meias próprias para quem já está com a barriga.

Paty: Ah, eu usei ela tem, não sei se ainda é assim, mas ela é mais larga na barriga...?

Dr. Alexandre: Isso, isso, você se adaptou ao uso?

Paty: Super bem, melhorou bastante.

Dr. Alexandre: É diminui o inchaço e diminui a retenção venosa isso é muito importante, a barriga e o útero acaba comprimindo a veia cava, então tanto que uma das orientações para mulher gravida é não deitar virada para direita, deitar sempre virada para esquerda para o útero não cair em cima da veia cava e melhorar o retorno venoso, mas ai tem várias dicas, levantar o pé da cama, usar meia elástica, fazer exercício físico gravida pode e deve fazer, obvio que com acompanhamento adequado.

Paty: eu lembro que eu tive que usar essas meias na gravidez, tudo, tinha que colocar as pernas para cima antes de colocar as meias, ainda é assim ou as meias mudaram... a tecnologia?

Dr. Alexandre: Sim e não, eu acredito que há um desconhecimento e uma excesso de zelo com o uso da meia elástica. Então a meia ela tem... é mais fácil de colocar com a perna desinchada, então se você coloca a meia logo depois que acorda a sua perna está desinchada não tem que ficar com a perna para cima, ah eu levantei caminhei bastante, fiz minhas atividades, só depois vou colocar a meia, ai é bom ficar um pouquinho com a perna para cima diminui um pouquinho esse inchaço, depois colocar a meia. Mas isso tudo depende do grau da gravidade da doença quem tem uma doença muito grave que incha muito rápido é uma coisa, quem tem uma doença mais leve outra coisa, então quem não tem doença e que usa meia elástica? Que também existe isso ai são os fatores a falta de movimentação.

Paty: Aham, é a pessoa quando usa para prevenção ela não vai ficar com a perna inchada, então...

Dr. Alexandre: então, ano tem toda essa necessidade de ficar tanto tempo com a perna para cima, então vamos pensar assim, professor que fica muito tempo de pé, segurança, cirurgião também... fica muito tempo de pé.

Paty: Você usa?

Dr. Alexandre: Eu sou professor e cirurgião eu tenho que usar, então fica muito tempo de pé a gente não ativa a musculatura vai ter esse represamento ou retenção venosa, vai ter inchaço mesmo para quem não tem a doença então se é um paciente classe zero, ou seja, sem doença nenhuma, mas com sintomas da doença com dor e inchaço típico de quem tem doença venosa, mas sem a doença venosa esse paciente que se beneficiaria do uso profilático da meia elástica mesmo não tendo doença, obvio isso tem que ser avaliado caso a caso e converse com seu médico para avaliar se é necessário ou não.

Paty: Ah, é sempre bom conversar com médico antes...

Dr. Alexandre: Sempre, sempre, por que meia elástica tem contraindicação, quem tem uma doença arterial periférica, por exemplo, não pode usar a meia elástica.

Paty: Então não pode sair comprando e usando...?

Dr. Alexandre: Principalmente as mais apertadas, a gente pode até ser um pouquinho liberal com o uso da leve compressão, mas média e alta pelo amor de Deus não façam isso.

Paty: Muito perigoso...?

Dr. Alexandre: É.

Paty: Tem umas meias elásticas que são ¾, não?

Dr. Alexandre: Tem.

Paty: Isso é indicado ou não?

Dr. Alexandre: De novo vai depender de paciente para paciente, mas eu penso da seguinte maneira, “ah, a doença está na perna toda é indicado o uso de 7/8 ou meia calça, mas a musculatura da panturrilha continua sendo o principal sistema de bombeamento venosos, então se a gente consegue melhorar pelo menos a panturrilha já tem um benefício para o paciente mesmo se a doença dele é na perna toda, então se eu não consigo um paciente usar uma de 7/8, mas eu consigo uma de ¾ pode não ser o perfeito, pode ser no seu ideal, mas já vai ajudar, sabe aquela história do ótimo inimigo do bom? Às vezes a gente fica buscando a perfeição e não alcança nada.

Paty: Verdade, melhor fazer uma coisa boa do que nada.

Dr. Alexandre: Exatamente, exatamente.

Paty: E ai a pessoa fica pensando “ah, não, tem que ser tem que usar a meia inteira”

Dr. Alexandre: E ai acaba que não usa deixa no armário pendurada a meia elástica, isso é muito frequente, o paciente compra a meia usa duas, três vezes não se adapta ao uso...

Paty: é porque é incomodo...

Dr. Alexandre: Principalmente se a meia estiver mal adaptada, mal indicada e tem marcas de boas e ruins, então diferença de tecido tudo, então teste antes, então é muito frequente o paciente compra deixa no armário e não volta, ás vezes por vergonha até de falar para o médico “ó, doutor eu não consegui usar a meia” se você assume isso para o médico e passa o problema para mim, passa a ser um problema que eu tenho que resolver.

Paty: Melhor...

Dr. Alexandre: E ai vamos nos adaptar, uma meia de ¾ pode ser útil em determinados casos, pode não ser 100 por cento, mas poxa, se a gente ajuda 70 por cento já é alguma coisa.

Paty: Verdade, tem aquela 7/8 e aquela inteira também...

Dr. Alexandre: A meia calça, meia calça também, essa é mais difícil.

Paty: É sim, e ela é incomoda...

Dr. Alexandre: É.

Paty: Que era a que eu usava quando eu estava grávida, ela incomodava bastante. O verão ou o inverno, qual é a época... se isso existe, existe época em que piora a situação de quem tem..?

Dr. Alexandre: É, é interessante a relação da doença venosa com o verão e com o inverno por vários motivos, quem tem varizes quer ficar com a perna bonita para o verão e quem te varizes e quer operar quer operar no inverno, porque vai ter que usar a meia elástica e a meia elástica é quente e não quer fazer isso no verão, então primeiro que isso é um mito, dá para operar varizes em qualquer momento do ano ou tratar em qualquer momento do ano não precisa se preocupar com isso.

Paty: É só porque a meia é quente...

Dr. Alexandre: Porque a meia é quente, mas as meias atuais elas estão com tecido tão fino, tão fina que não tem razão para essa ser a limitação. Agora, o verão as pessoas costumam buscar mais o tratamento no verão porque começou a usar shortinho, começou a mostrar mais as pernas, começou a ver mais a veia e ai começa procurar o médico, e também o inchaço o inchaço aumenta no verão por causa do calor, retenção de liquido e às vezes faz essa associação, “ah, estou inchando por causa das varizes, mas é só no verão” às vezes não é só isso que está inchando pode ser distúrbio hormonal, quantidade de liquido que está tomando e várias outras razões, então primeiro, tem muito dessas conexão de verão e inverno, mas a maior parte é mito não precisa se preocupar com isso tratamento pode ser feito em qualquer momento.

Paty: Mas no verão a gente sente um pouquinho mais de cansaço nas pernas, é por causa da retenção de liquido ou...?

Dr. Alexandre: Retenção de liquido, o calor a gente acaba gastando um pouquinho de energia, tem vários fatores que influenciam.

Paty: O carregamento de peso muito peso, peso excessivo pode acarretar um problema ou a pessoa tem que ter a genética para piorar isso?

Dr. Alexandre: A genética tem que estar lá, tem muita gente que carrega muito peso e não tem problema nenhum, se não tiver a genética essa pessoa não vai ter problema nenhuma, mas fazer força aumenta a pressão venosa faz uma manobra chamada de manobra de valsalva, quando a gente comprime a barriga faz essa manobra de valsalva e ai aumenta a pressão no sistema venoso, para quem não tem doença isso ai não causa nada, mas quem tem pode ajudar ou favorecer um rompimento de uma válvula que seria então ai um início um desencadear da doença venoso.

Paty: O homem ou mulher, existe isso também ou é mito, quem tem mais tendência ater?

Dr. Alexandre: Essa pergunta é assim, todo mundo deve estar ouvindo “ah, é obvio que ele vai falar que é mulher”, mas não é tão simples assim. Primeiro, todos os trabalhos para avaliar se foi homem ou mulher que procurou um médico imagina que tem um viés ai da própria pesquisa, quem procura mais o médico por causa de varizes? A mulher sem dúvida nenhuma, porque ela já está preocupada com a estética antes da doença aparecer mais grave, o homem vai procurar quando o negócio já está catastrófico isso é natural...

Paty: Está doendo muito...

Dr. Alexandre: Exatamente. Isso é natural. Então, se a gente faz uma pesquisa cientifica eu abro uma mesinha falo, que venha todo mundo, quem vai vim? Vai vim mais mulher, agora, será que não tem um monte de homem em casa que não veio porque também não está preocupado com os pequenos vasinhos, perna peluda não enxerga, não vê e não está nem ai. Então, o certo para gente responder essa pergunta seria pegar um grupo de pessoas, então vamos pegar um estádio num show, não pode ser futebol senão é mais homem também, num show que tem homem e mulher e vamos examinar todo mundo e ver se a proporção é igual, alguns trabalhos que foram feitos nesse sentido que não chegaram em números muito grandes, mostraram que não tinha uma diferença muito grande entre homem e mulher, apesar disso, eu queria lembrar que os hormônios femininos são fatores de piora para doença venosa, então eu não respondi nem sim, nem não, dei uma volta inteira para falar que homem é mulher pode ser acometido pela doença.

Paty: É, mas esses hormônios femininos vem sempre... eles sempre acarretam um monte de...

Dr. Alexandre: Ah, não reclame dos hormônios femininos porque eles estão ajudando também a prevenir as doenças do coração e doenças ateroscleróticas, as doenças arteriais, a mulher tem muito menos do que o homem porque os hormônios estão protegendo, então tem o lado bom e o lado ruim da moeda.

Paty: Verdade. As pílulas podem acarretar um problema?

Dr. Alexandre: Podem, podem, mas não é para sair parando de tomar pílula, porque a gravidez também pode, então tem que colocar na balança o custo x benefício, se a pessoa não tem a genética não tem que se preocupar tanto, então converse sempre com o seu ginecologista, seu vascular que ele vai avaliar caso a caso para ver se é necessário parar com e pílula ou não.

Paty: Ok, eu vou chamar o intervalo mais uma vez daqui a pouco a gente volta falando mais sobre varizes, até já.

Paty: Estamos de volta com o programa Análise Direta, hoje nós estamos falando sobre varizes, eu estou conversando com o doutor Alexandre Amato, que é cirurgião vascular. Vamos falar um pouquinho sobre o tratamento?

Dr. Alexandre: Vamos, mas só um pouquinho, porque tem bastante coisa.

Paty: É, pois é, então a gente tem ai eu fiquei sabendo agora pela minha produtora que a gente tem 10 minutinhos finais, então a gente fala assim generalizado, depois a gente te convida a voltar para falar mais sobre o tratamento.

Dr. Alexandre: Maravilha.

Paty: Como é feito o tratamento hoje, quais são as formas que existem que a pessoa pode fazer?

Dr. Alexandre: então vamos lá, doença venosa tem várias classes desde a mais simples onde a estética onde é o que mais incomoda o paciente até as fases mais graves onde a ulcera venosa, feridas, então existe um tratamento para cada fase. Eu vou falar das fases mais comuns e mais frequentes são as fases iniciais da doença e mesmo assim ainda tem vários tratamentos e acredito que a grande dúvida e a validade aqui dessa entrevista é ouvir de todas essas técnicas e saber da existência delas para conversar com o seu médico. Então, primeiro lugar a gente tem que saber que varizes é uma doença benigna de evolução lenta e quem vários tratamentos o grande segredo está sem saber qual é o tratamento adequado para cada caso ou para cada pessoa, então se uma pessoa tem determinada varizes e outra tem o mesmo grau de lesão, mas são pessoas diferentes e com expectativas diferentes o tratamento pode ser completamente diferente, mesmo a veia sendo igual.

Paty: ‘Nossa’

Dr. Alexandre: Então, a expectativa também é importante entra dentro da expectativa se a pessoa tem um desejo estético, se a pessoa quer, não quer, pode ou não pode entrar num centro cirúrgico, se ela quer buscar as técnicas minimamente invasivas, existem técnicas que são cobertas pelo convênio, que não são cobertas, existem técnicas caras, existem técnicas mais baratas e a gente entender todo o contexto do paciente ajuda a encontrar o melhor tratamento.

Paty: Mas assim, os tratamentos tem aquela aplicação que se faz que deve ser bem doloridinha...

Dr. Alexandre: Não, não costuma ser a maior reclamação das minhas pacientes não costuma ser dores, existem técnicas para gente diminuir a dor da aplicação, então analgesia pelo frio é uma deles então a gente solta um jato de ar muito gelado menos 30 graus isso faz a pessoa sentir frio, mas não dor é bem interessante. Mas eu costumo dividir os tratamentos em três grupos, então, o tratamento clínico, o tratamento cirúrgico e o tratamento minimente invasivo ou as escleroterapias. Então, tratamento clínico da doença venosa consiste principalmente no uso da meia elástica, está cheio de medicamento no mercado esses medicamentos eles são bons para sintoma, então como se fosse um remédio para dor de cabeça, você trata lá o sintoma, mas não resolve a causa. A meia elástica atua um pouquinho diferente atuando na causa, mas ela não regride a doença, então a gente não pode usar a meia elástica e achar que a veia vai desaparecer porque usou a meia elástica, não, mas a gente estaciona a doença no tempo ela não progride. Os tratamento cirúrgicos, então existem vários desde a microcirurgia que são pequenos furinhos em que a gente retira essas veias até cirurgia grande como safenectomia onde a veia safena é retirada da perna se ela estiver doente ela não está fazendo benefício nenhum ela pode ser retirada, no método tradicional são corte cirúrgicos a gente tira essa veia através desses cortes cirúrgicos, mas tem a cirurgias menos invasivas, então o uso do laser ou da radiofrequência em que a gente faz um pequeno furinho atravessa com uma fibra ótica queima essa veia essa veia se fecha e ela é reabsorvida com o tempo é muito menos invasiva e a recuperação acaba sendo mais rápida. E quando a gente fala das técnicas as escleroterapias então, isso é debatido em tudo quanto é lugar, a espuma, então “ah, espuma como tratamento milagroso para doença venoso”

Paty:  eu nunca ouvi falar nisso.

Dr. Alexandre: Não?

Paty: Não. O que é?

Dr. Alexandre: Então, a espuma é muito utilizada nos países mais frios Europa principalmente, é um tratamento muito bom funciona. Então, você injeta essa espuma de uma substancia chamada polidocanol essa espuma vai causar tromboflebite naquela veia então, é uma trombose numa veia controlada do jeito que eu quero e isso com o tempo faz a veia fibrosar e fechar. Bom, mas tem as suas complicações também tem seus benefícios e seus riscos, então par aquém busca estética eu não acredito que seja uma técnica muito adequada tem um  risco muito alto de manchar a pele, não que as outras técnicas não tenha também tem, mas a gente tenta minimizar isso, então a espuma para as fases mais avançadas da doença onde já tem mancha, já tem ulcera pode ser indicado, então para as fases mais iniciais talvez não, mas para quem não quer o centro cirúrgico ou quer fugir das outras técnicas talvez seja adequado, então por isso que tem que conversar muito bem com o cirurgião vascular e a conversa não tem que ser só “ah, eu tenho essa doença essa veia é desse tipo e a única opção é essa?” não, eu tenho esse tipo de doença, tenho esse tipo de veia e eu tenho essa expectativa eu gostaria ou de fugir do centro cirúrgico ou gostaria de... não tenho problema em fazer várias sessões então isso tem que ser conversado. Dentro dessas técnicas de escleroterapia tem a radiofrequência, o laser transdermico também, todos eles aplicados sem a cirurgia com a capacidade de diminuir ou fechar até essas veias superficiais, obvio de novo depende do tamanho da veia, depende do paciente, depende do tipo de pele, que são muitas variáveis tem que ser avaliadas para indicar um tratamento correto.

Paty: Para quem está no comecinho da doença, que tem apenas alguns vasinhos e deseja fazer por causa da estética que é o caso de muitas mulheres, o laser é a melhor saída ou também pode ser a aplicação?

Dr. Alexandre: O laser é uma boa alternativa, mas não é a única então laser, escleroterapia, aplicação, glicose, crioglicose e várias outras substancias a termocoagulação, todas elas tem vantagens e desvantagens, eu acredito que se a gente usa o lado bom de cada técnica a gente consegue um resultado melhor, então quando a gente usa uma mescla de todas as técnicas então eu acerto a melhor técnica para aquele vaso, eu posso ter um resultado melhor, por que? O laser não é perfeito para todo tipo de veia, assim como a glicose não é perfeito para todo tipo de veia.

Paty: Ah, é? Ah, não sabia disso também. O tempo de tratamento varia muito?

Dr. Alexandre: Muito, muito, muito, varia da resposta do paciente ao tratamento isso a gente começa a ter uma ideia depois da primeira, segunda sessão, tem paciente que vai muito bem e tem paciente que é um pouquinho mais refratário ao tratamento ai a gente precisa ser ás vezes um pouquinho mais invasivo.

Paty: tem algum problema fazer essa cirurgia da retirada da safena, porque antes se dizia muito que não era recomendável porque se o paciente tiver depois algum problema no coração isso pode ser prejudicial porque ele não vai ter a safena, existe isso é mito ou verdade?

Dr. Alexandre: Isso era mais verdade antigamente e não virou mito, mas ficou um pouquinho mais longe da nossa realidade, porque antigamente não existia outro tratamento para as doenças cardíacas era ponte de safena e ponto final, se não tivesse a safena ia ter que dar um jeito, existem alternativas, mas hoje a cirurgia cardíaca está sendo tratado muito com stent, então cirurgias menos invasivas que não precisam da safena esse é um lado da história o outro lado da história é nós temos quatro safenas duas em cada perna então quando a gente trata uma eu ainda tenho outras três, então tenho um backup ali eu tenho uma segurança.

Paty: Quando a pessoa tem que fazer a cirurgia um pouco mais invasiva, qual é o tempo de tratamento quanto tempo ela tem que ficar ainda fazendo a manutenção em casa, quanto tempo ela vai demorar?

Dr. Alexandre: Depende da técnica a cirurgia tradicional costuma ser em torno de 15 dias, algumas pessoas isso acaba se prolongando até um mês, a cirurgias menos invasivas como laser, radiofrequência a recuperação é muito mais rápida, então como não tem grandes cortes como tem muito menos hematomas a recuperação é mais rápida e gira em torno ai de uma semana, mas de novo, depende de paciente para paciente tem paciente que em poucos dias já tinha retornado a atividade normal.

Paty: Ok, eu queria que você deixasse uma dica final para quem está assistindo a gente, se quiser passar o seu contato no facebook ou um site onde as pessoas possam fazer pergunta também... quem tiver alguma dúvida sobre o assunto, pode passar.

Dr. Alexandre: Ok, nosso site é www.amato.com.br e o da especialidade é www.vascular.pro, podem mandar perguntas que a gente responde sem problema nenhum. E a minha dica se eu for resumir tudo em uma dica só, mantenha-se ativo, faça exercício físico, não fique parado, ative a musculatura principalmente de membros inferiores e exercícios físicos com menos impacto melhor, acho que ´uma dica ai que vale genericamente para todo mundo.

Paty: Ok, muito obrigada então te agradeço muito pela presença, pela entrevista, obrigada.

Dr. Alexandre: Eu que agradeço.

Paty: E está convidado a retornar para a gente falar mais sobre o assunto, ok?

Dr. Alexandre: Maravilha.

Paty: E você que está em casa obrigada também pela audiência, não se esqueça de entrar na nossa página facebook.com/programaanalisedireta, você pode ir lá assistir essa edição outras edições do programa, você pode também mandar perguntas para nós que quando a gente trouxer o entrevistado aqui de novo a gente vai responder essas perguntas para vocês e agora vocês podem também participar de uma promoção é só você entrar na nossa pagina curtir, compartilhar e não se esqueça de clicar no botão quero participar, você vai concorrer num sorteio que vai ser feito que vai ser um kit de livros e cds de entrevistados que estiveram aqui no programa, ok? Então, um beijo e até a próxima, tchau, tchau. 

Average: 1 (1 vote)

Marque já sua consulta com o vascular

Autor

Prof. Dr. Alexandre Amato: Cirurgião Vascular em São Paulo

Prof. Dr. Alexandre Amato
Cirurgião Vascular, Endovascular e Ecodoppler
Tratamento de varizes com laser(11) 5053-2222
Tudo sobre varizes e doenças vasculares
www.vascular.pro
Clínica de Cirurgia Vascular: Tratamento de VarizesAv Brasil, 2283, São Paulo, SP
FacebookTwitterYoutubeLinkedin

 

Amato, ACM. Cirurgia Vascular: O que você não pode ignorar. 1ª. edição. 2017
Amato, ACM. Procedimentos Médicos: Técnica e Tática. 2ª edição. 2016. Roca 
Amato, MCM. Manual do Médico Generalista na era do conhecimento. 2014. Roca