fbpx Fibromialgia: dor por todo corpo | Clínica Vascular SP
De volta ao topo

Fibromialgia: dor por todo corpo

Marque já sua consulta com o vascular

dor por todo corpo
dor por todo corpo

Fatos Rápidos

  • Fibromialgia afeta entre 2-4% das pessoas, mais frequentemente as mulheres do que os homens.
  • Fibromialgia não é uma doença autoimune ou uma doença com base em inflamação, mas a pesquisa sugere que o sistema nervoso esteja envolvido.
  • Os médicos diagnosticam fibromialgia com base em todos os sintomas relevantes do paciente (o que você sente), não mais com base apenas no número de lugares sensíveis durante um exame.
  • Não há nenhum teste para detectar esta doença mas você pode precisar fazer exames laboratoriais ou raios-x para descartar outros problemas de saúde.
  • Embora não haja nenhuma cura, medicamentos podem reduzir os sintomas em alguns pacientes.
  • Os pacientes também podem se sentir melhores com cuidados pessoais adequado, tais como exercícios e dormir o suficiente.

Fibromialgia é um problema de saúde neurológica comum que causa dor generalizada e sensibilidade à dor (sensibilidade ao toque). A dor e a sensibilidade tendem a ir e vir e mover-se pelo corpo. Na maioria das vezes, as pessoas com esta doença crônica (a longo prazo) são fatigadas (muito cansadas) e tem problemas de sono. O diagnóstico pode ser feito com um exame cuidadoso.

O que é fibromialgia?
Fibromialgia é uma condição de saúde crônica neurológica que causa dor por todo o corpo e outros sintomas. Outros sintomas da fibromialgia em pacientes com mais frequência são:

  • Sensibilidade ao toque ou pressão afetando os músculos e, algumas vezes, articulações ou até mesmo a pele
  • Fadiga severa
  • Problemas de sono (acordar não revigorado)
  • Problemas de memória ou de pensar claramente

Alguns pacientes também podem ter:

  • Depressão ou ansiedade
  • Dores de cabeça de enxaqueca ou tensão
  • Problemas digestivos: Síndrome do intestino irritável (comumente chamado de SII) ou doença do refluxo gastresofágico (muitas vezes referida como DRGE)
  • Bexiga hiperativa ou irritável
  • Dor pélvica
  • Desordem da articulação temporomandibular - muitas vezes chamado de ATM (um conjunto de sintomas, incluindo dor facial ou mandíbula, clique no maxilar e zumbido nos ouvidos)

 

O papel do reumatologista e do cirurgião vascular
Fibromialgia não é uma forma de artrite (doença de articulação). Não causa inflamação ou danos para as articulações, músculos ou outros tecidos. No entanto, pela fibromialgia poder causar cansaço semelhante à artrite e dor crônica, algumas pessoas podem aconselhá-lo a ver um reumatologista. Outras pessoas buscam o cirurgião vascular pelas queixas dolorosas. Como resultado, muitas vezes um reumatologista detecta essa doença (e exclui as doenças reumáticas) e o vascular exclui as doenças vasculares. Para cuidados a longo prazo, você não precisa continuar com o reumatologista ou cirurgião vascular. Seu especialista de atenção primária, o clínico geral, pode fornecer todos os cuidados e tratamento que você precisa para fibromialgia.

 

Anatomia: 

sistema nervoso central

Causa: 

As causas da fibromialgia não são claras. Elas podem ser diferentes em pessoas diferentes. A pesquisa atual sugere envolvimento do sistema nervoso, particularmente o sistema nervoso central (cérebro e medula espinhal). Fibromialgia não é uma doença autoimune, inflamatória ou transtornos articulares ou musculares. Fibromialgia pode ocorrer nas famílias. Provavelmente existem certos genes que podem tornar as pessoas mais propensas a ter fibromialgia e os outros problemas de saúde que podem ocorrer por causa dela. Apesar disso, os genes, sozinhos, não causam fibromialgia.
Na maioria das vezes, alguns fatores que desencadeiam a fibromialgia. Pode ser problemas de coluna, artrite, lesões ou outro tipo de estresse físico. Estresse emocional também pode desencadear essa doença. O resultado é uma mudança na forma como o corpo "fala" com a medula espinhal e o cérebro. Podem alterar os níveis de proteínas e substâncias químicas do cérebro. Mais recentemente, a fibromialgia tem sido descrita como transtorno de amplificação de dor central, ou seja, que o volume de sensação de dor no cérebro se torna muito alto.
Embora a fibromialgia possa afetar a qualidade de vida, ainda é considerado clinicamente benigna. Não provoca qualquer ataques cardíacos, acidente vascular cerebral (derrame), câncer, deformidades físicas ou perda da vida.

Diagnóstico Diferencial: 

A síndrome da fibromialgia possui manifestações clínicas bem características e critérios diagnósticos estabelecidos. Entretanto, tem sido confundida com diversos outros distúrbios. O motivo é que diversas doenças reumáticas e não reumáticas podem se manifestar por dor difusa e fadiga crônica.
O paciente com hipotireoidismo pode apresentar um quadro clínico que aparenta fibromialgia. Outro distúrbio hormonal que pode causar confusão diagnóstica com a fibromialgia é o hiperparatireoidismo primário. Este distúrbio é causado, na maioria das vezes, por um adenoma de paratireoide (80 a 90% dos casos). Deficiência de vitamina D com hiperpatiroidismo secundário pode causar dores ósseas e musculares, que podem ser interpretadas como fibromialgia. Em certas situações, a osteomalácia pode fazer parte do diagnóstico diferencial, pois alguns pacientes iniciam o quadro com sensação de fraqueza, dor muscular e sensibilidade óssea, antes das manifestações radiográficas e metabólicas da doença.
A polimialgia reumática é uma condição que deve ser sempre lembrada no diagnóstico diferencial da fibromialgia. Às vezes, a polimiosite (assim como outras miosites) pode ser confundida com fibromialgia. Algumas doenças autoimunes do colágeno, particularmente a artrite reumatoide e o lúpus eritematoso sistêmico, podem inicialmente se manifestar com dor difusa e fadiga, conduzindo ao diagnóstico equivocado de fibromialgia. Em outras situações, pacientes com uma artrite reumatoide ou lúpus eritematoso sistêmico estabelecido, com as variadas manifestações clínicas e laboratoriais dessas moléstias, podem apresentar, simultaneamente, um quadro de fibromialgia. Não raramente, a síndrome de Sjögren pode ter como manifestação inicial sintomas de dor muscular difusa e inespecífica, acompanhada de cansaço, podendo causar dificuldade diagnóstica até que parâmetros laboratoriais e outras características clínicas se façam presentes.
Certas reações adversas a determinados medicamentos podem causar mialgias difusas e atrapalhar o médico desinformado. Entre essas medicações, destacam-se os bloqueadores de receptores H2 (utilizados para doença péptica), os fibratos e as estatinas (empregados para o tratamento das dislipidemias) e comumente utilizados pelos pacientes vasculares.
Uso de drogas causa reações que se assemelham a um quadro de fibromialgia, particularmente nos pacientes viciados em cocaína e canabis.
Pacientes etilistas também podem apresentar quadros de dores musculares, seja durante o período do abuso do álcool ou do período de abstinência ao mesmo.
Certas infecções, em particular a hepatite C, o HIV e a doença de Lyme, podem provocar dores musculares difusas e impor dificuldade diagnóstica, principalmente quando não há febre ou outros sintomas típicos. As análises laboratoriais sorológicas podem contribuir para elucidar alguns casos.
Pacientes que realizaram corticoterapia por longos períodos, independentemente do motivo, podem sofrer de uma crise de abstinência ao corticoide, particularmente se a retirada do medicamento for feita de maneira abrupta e inadequada. Esses pacientes podem passar a experimentar dores musculares difusas, que respondem rapidamente à reutilização do medicamento.
Outra condição que deve ser considerada no diagnóstico diferencial da síndrome da fibromialgia é a síndrome paraneoplásica (paraneoplasia). Em raras situações, uma paraneoplasia pode se manifestar com quadro similar ao da fibromialgia e lançar um importante desafio diagnóstico, particularmente no caso do carcinoma broncogênico.
A síndrome da fadiga crônica também deve ser lembrada no diagnóstico diferencial. O antecedente de febre baixa ou de faringite recorrente, além da presença de linfadenopatia, pode contribuir para clarificar o diagnóstico. Nesta síndrome predomina o cansaço, enquanto na fibromialgia predomina a dor difusa.
Talvez a dificuldade diagnóstica maior seja diferenciar a fibromialgia de um reumatismo psicogênico. Em certas situações, o quadro clínico do paciente é expressão de um distúrbio psiquiátrico, particularmente de depressão.
LER (Lesões por Esforços Repetitivos) e DORT (Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho) são acrônimos para incorporar um grupo de distúrbios musculoesqueléticos relacionados ao trabalho. 

Epidemiologia: 

Fibromialgia é mais comum em mulheres, mas pode ocorrer em homens. Na maioria das vezes começa no meio da idade adulta, mas pode ocorrer na adolescência e na velhice. Você está em maior risco para a fibromialgia se você tem uma doença reumática (problema de saúde que afeta as articulações, músculos e ossos). Estes incluem osteoartrite, lúpus, artrite reumatoide, ou espondilite anquilosante.

Evolução Natural: 

Viver com fibromialgia
Mesmo com muitas opções de tratamento, o autocuidado do paciente é vital para melhorar os sintomas e o funcionamento diário. Em conjunto com o tratamento médico, comportamentos de um estilo de vida saudável podem reduzir a dor, aumentar a qualidade do sono, diminuir a fadiga e ajudar você a lidar melhor com a fibromialgia. Com o tratamento adequado e o autocuidado você pode ficar melhor e viver uma vida mais normal. Aqui estão algumas dicas de autocuidado para viver com fibromialgia:

  • Arranje tempo para relaxar diariamente. Exercícios de respiração profunda e meditação ajudará a reduzir o estresse que os sintomas podem trazer.
  • Defina um padrão de sono regular. Vá para a cama e acorde todo dia no mesmo horário. Dormir o suficiente permite que seu corpo se repare fisicamente e mentalmente. Além disso, evite dormir durante o dia e limite a ingestão de cafeína, que pode interromper o sono. A nicotina é um estimulante, então os pacientes de fibromialgia com problemas de sono devem parar de fumar.
  • Se exercite frequentemente. Esta é uma parte muito importante do tratamento da fibromialgia. Embora difícil a princípio, exercício regular muitas vezes reduz os sintomas de dor e fadiga. Os pacientes devem seguir o ditado, "começar de leve, ir de boa". Lentamente adicione ginástica diária em sua rotina. Por exemplo, escolha as escadas em vez do elevador ou estacione ainda mais longe da loja. Com os sintomas diminuindo com o tratamentos com remédios, comece a aumentar sua atividade. Adicione algumas caminhadas, natação, hidroginástica e/ou exercícios de alongamento e comece a fazer coisas que você parou de fazer por causa de sua dor e dos outros sintomas. Leva tempo para criar uma rotina confortável. Mas continue se movendo, mantenha-se ativo e não desista!
  • Eduque-se. Organizações reconhecidas como a  ABRAFIBRO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FIBROMIÁLGICOS são grandes fontes para obter informações. Compartilhe essas informações com familiares, amigos e colegas de trabalho.
  • Olhe para a frente, não para trás. Foque no que você precisa fazer para melhorar, não o que causou a doença.

 

Sinais ou Sintomas: 

Um médico vai suspeitar de fibromialgia baseado nos seus sintomas. Os médicos podem exigir que você tenha sensibilidade à pressão ou pontos dolorosos em um número específico de determinados pontos antes de dizer que você tem fibromialgia, mas eles não são obrigados a fazer o diagnóstico (veja a tabela). Um exame físico pode ser útil para detectar a sensibilidade e para excluir outras causas de dor muscular. Existem testes diagnósticos (como radiografias ou exames de sangue) para este problema. Mesmo assim, você pode precisar de exames para descartar um outro problema de saúde que pode ser confundido com fibromialgia.
Como a dor generalizada do corpo é a principal característica da fibromialgia, prestadores de cuidados à saúde irão pedir para descrever a sua dor. Isso pode ajudar a distinguir entre fibromialgia e outras doenças com sintomas semelhantes. Outras condições, tais como hipotireoidismo (hipoatividade da glândula tireoide) e polimialgia reumática algumas vezes imitam a fibromialgia. Exames de sangue podem dizer se você tem qualquer um destes problemas. Às vezes, a fibromialgia é confundida com artrite reumatoide ou lúpus. Mas, novamente, há uma diferença nos sintomas e testes físicos e exames de sangue vão ajudar seu médico a detectar esses problemas de saúde. Ao contrário da fibromialgia, essas doenças reumáticas causam a inflamação nas articulações e tecidos.
 
Critérios necessários para um diagnóstico de fibromialgia

1. Dor e sintomas durante a semana passada com base no número total de áreas dolorosas de 19 partes do corpo mais o nível de gravidade destes sintomas:
a. fadiga
b. acordar não revigorado - sono não repousante
c. problemas cognitivos (de memória ou pensamento).
Somado o número de outros sintomas físicos gerais

2. sintomas durando pelo menos três meses em um nível semelhante

3. nenhum outro problema de saúde que explique a dor e outros sintomas

 

Fonte: Colégio Americano de Reumatologia, 2010

Tratamentos Possíveis: 

Não existe cura para a fibromialgia. Entretanto, sintomas podem ser tratados com base em tratamentos não-farmacológico ou com medicação. Muitas vezes os melhores resultados são alcançados por meio de vários tipos de tratamentos.
Terapias não-farmacológicas: Pessoas com fibromialgia devem usar tratamentos não-farmacológicos, assim como quaisquer medicamentos que os médicos sugerem. Pesquisa mostra que o tratamento mais eficaz para a fibromialgia é exercício físico. Exercício físico deve ser usado além de qualquer tratamento farmacológico. Os pacientes beneficiam-se mais dos exercícios aeróbicos regulares. Outras terapias baseadas no corpo, incluindo o Tai Chi e yoga, podem aliviar os sintomas da fibromialgia. Embora você possa estar sofrendo, exercício físico de baixo impacto não será prejudicial.
Terapia cognitiva comportamental é um tipo de terapia focada na compreensão de como pensamentos e comportamentos afetam a dor e outros sintomas. TCC e tratamentos relacionados, tais como atenção plena (Mindfulness), podem ajudar pacientes a aprender habilidades de redução de sintoma que diminui a dor. Atenção plena é uma prática de meditação não-espiritual que cultiva a consciência do momento presente. Redução do estresse baseado em atenção plena demonstrou melhorar significativamente os sintomas da fibromialgia.
Outras terapias complementares e alternativas (às vezes chamadas de TCA ou medicina integrativa), tais como acupuntura, quiropraxia e massagem terapêutica, podem ser úteis para controlar os sintomas da fibromialgia. Muitos destes tratamentos, no entanto, não foram bem testados em pacientes com fibromialgia.
É importante notar fatores de risco e gatilhos para a fibromialgia, incluindo distúrbios do sono, como apneia do sono e problemas de humor, tais como stress, ansiedade, transtorno do pânico e depressão. Isso pode exigir o envolvimento de outros especialistas tais como um doutor em medicina do sono, psiquiatra e terapeuta.
Medicamentos: O FDA aprovou três medicamentos para o tratamento da fibromialgia. Eles incluem dois medicamentos que mudam algumas das químicas cerebrais (serotonina e noradrenalina) que ajudam a controlar os níveis de dor: duloxetina (Cymbalta) e milnacipran (Savella). Medicamentos mais antigos que afetam esses mesmos produtos químicos cerebrais também podem ser utilizados para tratar a fibromialgia. Estes incluem a amitriptilina (Elavil) e ciclobenzaprina (Flexeril). Outras remédios antidepressivos podem ser úteis em alguns pacientes. Efeitos colaterais variam de acordo com o remédio. Pergunte ao seu médico sobre os riscos e benefícios de sua medicação.
A outras drogas aprovadas para fibromialgia é a pregabalina (Lyrica). Pregabalina e outra droga, gabapentina (Neurontin), trabalham bloqueando a atividade das células nervosas envolvidas na transmissão da dor. Estes medicamentos podem causar tonturas, sonolência, inchaço e ganho de peso.
É altamente recomendável evitar medicamentos opioides entorpecentes no tratamento da fibromialgia. A razão para isto é que a evidência da pesquisa mostra que essas drogas não são úteis para a maioria das pessoas com fibromialgia e irão causar maior sensibilidade a dor ou fazer a dor persistir. Tramadol (Ultram) pode ser usado para tratar a dor da fibromialgia se houver necessidade de uso a curto prazo de um narcótico de opioide. Medicamentos sem receita como o paracetamol (Tylenol) ou antiinflamatórios não esteroidais (comumente chamado de AINEs) como o ibuprofeno (Advil, Motrin) ou o naproxeno (Aleve, Anaprox) não são eficazes para dor da fibromialgia. No entanto, esses remédios podem ser úteis para tratar os gatilhos da dor da fibromialgia. Sendo assim, eles são mais úteis em pessoas que têm outras causas para a dor como a artrite, além de fibromialgia.
Para problemas com sono, alguns dos medicamentos que tratam a dor também melhoram o sono. Estes incluem ciclobenzaprina (Flexeril), amitriptilina (Elavil), gabapentina (Neurontin) ou pregabalina (Lyrica). Não se recomenda que os pacientes com fibromialgia tomem medicamentos para dormir como zolpidem (Ambien) ou medicamentos benzodiazepínicos.
Sempre procure seu médico para indicar o melhor tratamento. Não faça auto medicação.

Código: 
M79.7
Average: 5 (2 votes)

Marque já sua consulta com o vascular

Autor

Prof. Dr. Alexandre Amato: Cirurgião Vascular em São Paulo

Prof. Dr. Alexandre Amato
Cirurgião Vascular, Endovascular e Ecodoppler
Tratamento de varizes com laser(11) 5053-2222
Tudo sobre varizes e doenças vasculares
www.vascular.pro
Clínica de Cirurgia Vascular: Tratamento de VarizesAv Brasil, 2283, São Paulo, SP
FacebookTwitterYoutubeLinkedin

 

Amato, ACM. Cirurgia Vascular: O que você não pode ignorar. 1ª. edição. 2017
Amato, ACM. Procedimentos Médicos: Técnica e Tática. 2ª edição. 2016. Roca 
Amato, MCM. Manual do Médico Generalista na era do conhecimento. 2014. Roca