De volta ao topo

Termoablação Endovenosa

Marque já sua consulta com o vascular

Termoablação venosa por laser

Termoablação endovenosa – radiofrequência e laser da veias safena.

 

Pacientes com veias varicosas grandes, normalmente tem o que se conhece como refluxo, onde as válvulas venosas deixam de funcionar e o sangue passa a mover-se na direção errada, em direção aos pés. Isso resulta num acumulo de sangue nas pernas que pode lesar a vários sintomas que incomodam bastante, como, dor, inchaço e cansaço nas pernas, também pode levar a mudanças na pele, na perna e tornozelo, no pior caso a mudança da pele pode ser a abertura de uma ferida chamada úlcera. O cirurgião vascular pode identificar quais veias possuem refluxo examinando-as através do ultrassom.

Muito embora os pacientes procurem ajuda médica por causa das veias visíveis e saltadas na pele o ultrassom muitas vezes mostra que a raiz do problema venoso está mais profundamente nas pernas e não são visíveis olhando as veias, isso pode ser confuso para os pacientes que apenas vêem as veias superficiais e é muito frequente que o ultrassom mostre refluxo em duas veias mais frequentemente, a safena magna que é veia que corre na parte interna da perna ou safena parva que é a veia que corre na panturrilha.

Ao fazer um exame de ultrassom nós podemos determinar se o sangue está se movendo para cima ou para baixo nessas veias e enchendo as veias varicosas, o objetivo é remover ou fechar esse problema venoso de modo que o sangue seja redirecionado para as veias saudáveis e em direção ao coração.

Um dos tratamentos mais efetivos para o refluxo da veia safena é a termoablação endovenosa.

Muitas pessoas se preocupam com o fato de fechar a veia safena, que isso pode influenciar negativamente na sua circulação, mas isso está muito longe da verdade, a maior parte do nosso fluxo sanguíneo se faz através das veias mais profundas, veias que estão entre a musculatura da perna, toda vez que nós movemos as pernas os nossos músculos se contraem e espremem as veias de modo que o sangue é empurrado (bombeado) para cima em direção ao coração.

O tratamento da veia safena, não muda a direção das veias profundas, na verdade, ao fechar essas veias superficiais acaba ajudando as veias profundas a fazerem o seu trabalho, isso ocorre porque quando temos refluxo na veia safena o sangue acaba voltando para as pernas e essa quantidade maior de sangue começa a sobrecarregar o sistema venoso profundo, é como se fosse um barco com um buraco, toda vez que você tira água ele volta se encher. Então, ao fechar as veias safenas e fechando o refluxo das veias safenas, nosso sistema venoso profundo tem menos sangue para bombear e pode funcionar melhor.

Por mais de 100 anos o único tratamento existente para a veia safena era um procedimento chamado stripping, que é a cirurgia tradicional, o stripping nada mais é que um arrancamento da veia, por causa do modo como é feito o arrancamento da veia tem a recuperação mais prolongada, houve varias tentativas de minimizar o procedimento e faze-lo menos invasivo. Em 1999, a energia da radiofrequência foi usada pela primeira vez para tratar a veia safena por dentro e logo após o laser foi utilizado da mesma maneira. Essas duas técnicas são chamadas de termoablação endovenosa e são os métodos mais comumente utilizados para tratar a veia safena hoje em dia.

Ao usar um cateter ao invés de técnica cirúrgica, esses procedimentos se mostraram muito mais eficazes e menos invasivos do que a cirurgia tradicional, comparando com a cirurgia tradicional a termoablação endovenosa é menos dolorosa, mais rápida, sem cicatrizes ou com menos cicatrizes, permite ao paciente retornar a atividade normal quase que imediatamente, podendo ser feita de modo ambulatorial, com anestesia local e é mais barato, esse procedimento pode ser realizado em quase todos os pacientes que possuem  refluxo da veia safena e tem sido visto que ao longo prazo por mais de 5 anos, a efetividade desses tratamentos é tão boa ou melhor do que a técnica tradicional.

Termoablação endovenosa por radiofrequência

Existem diferentes técnicas que podem ser utilizadas na termoablação endovenosa. A primeira técnica é conhecida como a termoablação por radiofrequência, e é uma variação do procedimento que foi realizado há décadas atrás para tratar hemorroidas, esses sistema utiliza em cateter especializado venoso que emite ondas de rádio bem seguras, essa é uma frequência de rádio um pouco abaixo da rádio AM, ela vai esquentar e vai colapsar as veias doentes, fechando-as.

A primeira geração dos aparelhos de termoablação por termofrequencia, representaram um grande avanço no tratamento minimamente invasivo, apesar de suas limitações, desde então, a aparelhagem tem se desenvolvido e melhorado continuamente e agora apenas alguns minutos são necessários para esquentar e fechar permanentemente uma veia anormal, se você for fazer uma termoablação por termofrequencia, o seu cirurgião vascular vai limpar sua pele muito bem, depois colocar um anestésico na sua pele, o ultrassom é utilizado para visualizar a veia que vai ser tratada, uma pequena agulha é colocada na área da sua pele em que essa veia passa e através dessa agulha um cateter vai ser passado, esse cateter contem aparelhagem que emite a radiofrequência na sua veia, após isso será aplicado mais anestésico em volta de todo o trajeto da veia que vai ser tratado, de modo que você não sinta o calor gerado pelo aparelho. O fluido anestésico também age como uma camada de proteção do restante da perna do calor. Assim que o aparelho de radiofrequência é ligado, o tratamento leva alguns minutos para ser completado, a maior parte dos cirurgiões vasculares vai pedir que você utilize a meia de compressão elástica após o tratamento e que ande com frequência. As complicações do procedimento são raras, você pode e deve conversar com seu cirurgião vascular; a maior parte dos pacientes volta as suas atividades normais dentro de um dia e descobrem que é fácil encaixar o tratamento no meio de suas vidas atribuladas, resolvendo as veias doentes. Logo após o procedimento ou numa consulta posterior, o seu cirurgião vascular pode realizar um outro procedimento para a retirada das veias dilatadas na pele ou as veias reticulares. Muitas vezes entretanto, o tratamento da veia safena é realizado primeiro como um passo inicial para depois ter sucesso no tratamento das outras veias.

Termoablação endovenosa por laser.

 

Outra técnica de termoablação endovenosa faz o uso da energia luminosa proveniente do laser, este procedimento é chamado de termoablação endovenosa por laser e envolve a passagem de uma fibra ótica dentro da veia e o aquecimento dessa veia por intermédio da energia do laser, o procedimento é muito similar ao da radiofrequencia, utilizado um ultrassom para visualizar a veia é feito uma punção e através dessa punção é passado um cateter introdutor e dentro desse cateter introdutor a fibra ótica, após o posicionamento do laser é feito o anestésico em volta da veia e é necessário alguns minutos para realizar o tratamento após o laser ser colocado em posição. Com o tempo nós temos mais dados sobre a efetividade de longo termo das técnicas de tratamento endovenoso, mas novas técnicas continuam sendo desenvolvidas para um dia substituírem a termoablação por laser e radiofrequencia.

Atualmente tem se estudado a possibilidade de destruir as veias doentes com o vapor ou um dano mecânico na parede do vaso e a cola para o fechamento das paredes, esses sistemas que ainda estão em estudo podem mostrar as vantagens sobre o tratamento convencional e a termoablação, mas ainda necessitam muito mais investigação. O que é importante para você e para o seu cirurgião é que os pesquisadores continuam constantemente trabalhando para melhorar as possibilidades de tratamento e prover mais opções para você.

Novidades no tratamento de termoablação endovenosa, revolucionaram o tratamento do refluxo venoso e das veias varicosas, essas técnicas são seguras, efetivas, mais baratas, menos dolorosas e possibilitam um resultado estético melhor do que quando realizado com a cirurgia tradicional, embora não seja o objetivo principal. Independente do tipo de tratamento, você terá um melhor resultado, se você retornar periodicamente para realizar o ultrassom e exame físico seguido do procedimento, de modo que o seu cirurgião vascular possa minimizar as chances de aparecimento de mais veias doentes.

 

 

Leia mais:

Sem avaliações

Marque já sua consulta com o vascular

Autor

Prof. Dr. Alexandre Amato: Cirurgião Vascular em São Paulo

Prof. Dr. Alexandre Amato
Cirurgião Vascular, Endovascular e Ecodoppler
Tratamento de varizes com laser(11) 5053-2222
Tudo sobre varizes e doenças vasculares
www.vascular.pro
Clínica de Cirurgia Vascular: Tratamento de VarizesAv Brasil, 2283, São Paulo, SP
FacebookTwitterYoutubeLinkedin

 

Amato, ACM. Cirurgia Vascular: O que você não pode ignorar. 1ª. edição. 2017
Amato, ACM. Procedimentos Médicos: Técnica e Tática. 2ª edição. 2016. Roca 
Amato, MCM. Manual do Médico Generalista na era do conhecimento. 2014. Roca