De volta ao topo

Doença das Carótidas

Estenose de Carótida
Estenose de Carótida

As artérias carótidas têm como função transportar o sangue para a cabeça e seu trajeto passa lateralmente no pescoço pela direita e pela esquerda até dividirem-se e tornarem-se mais profundas dentro do crânio. Evidentemente, sendo o cérebro um órgão “nobre” no nosso organismo, uma doença aí localizada deve ser prevenida e diagnosticada o mais cedo possível. 
As doenças nas carótidas em sua maioria acontecem por processos ateroscleróticos, ou seja, por um processo lento e gradual de depósito de partículas de gordura e cálcio que geram estreitamento para a passagem do sangue, alargamento acentuado e fragilidade do vaso que podem levá-lo ao rompimento. Ainda, pode haver liberação de trombos no cérebro gerando o famoso “derrame” ou  AVC
     Muitas vezes associado à aterosclerose, o kinking da carótida – também conhecido como coiling –, que é um alongamento gerador de um desenho tortuoso da artéria, pode fazer com que essa se dobre sobre si mesma e dificulte a passagem do sangue até o cérebro, com manifestações semelhantes à da doença aterosclerótica. 
Doenças nas carótidas podem acontecer também devido às autoimunes, quando nosso sistema imunológico “ataca” a parede do vaso, inflamando-a e deixando-a mais frágil e susceptível à ruptura e aos estreitamentos. Nesses casos, há também processos ateroscleróticos acelerados, manifestando-se com derrame, por exemplo, precocemente. 
O câncer nas carótidas são raros e derivam de células localizadas na bifurcação da artéria (antes de se dividir em artéria carótida interna e externa) que controlam a pressão arterial. É chamado de tumor glômico, tumor de corpo carotídeo ou paragangliomas não cromafins. Manifestam-se pela compressão de estruturas próximas a ele e na própria artéria, reduzindo o fluxo sanguíneo para o cérebro, gerando dor e dificuldade para engolir, sensação de pressão na mandíbula, desmaios e rouquidão. A superatividade dessas células, em sua função de regular a pressão arterial, pode também aumentar essa pressão e a velocidade dos batimentos cardíacos.  Algumas doenças genéticas também podem levar a defeitos anatômicos não restritos somente às artérias carótidas, com estreitamentos e dilatações frágeis. 
Para todas essas condições, a redução de complicações é um elemento-chave. Muitas vezes é necessário tratamento medicamentoso e, em outras, é necessário cirurgia vascular. O médico cirurgião vascular cuida da saúde dos vasos sanguíneos e deve ser consultado para o check-up vascular (prevenção e diagnóstico precoce), o diagnóstico e o tratamento de doenças já estabelecidas. 

 

Sem avaliações

Autor

Prof. Dr. Alexandre Amato: Cirurgião Vascular em São Paulo

Prof. Dr. Alexandre Amato
Cirurgião Vascular, Endovascular e Ecodoppler
Tratamento de varizes com laser(11) 5053-2222
Tudo sobre varizes e doenças vasculares
vascular.pro
Clínica de Cirurgia Vascular: Tratamento de VarizesAv Brasil, 2283, São Paulo, SP
FacebookTwitterYoutubeLinkedin

 

Amato, ACM. Cirurgia Vascular: O que você não pode ignorar. 1ª. edição. 2017
Amato, ACM. Procedimentos Médicos: Técnica e Tática. 2ª edição. 2016. Roca 
Amato, MCM. Manual do Médico Generalista na era do conhecimento. 2014. Roca