Esperança no Lipedema: a ciência está progredindo

()

Identificado Marcador para o lipedema

Artigo científico recém publicado acaba de identificar um possível marcador para o lipedema. Isso significa um exame laboratorial que pode comprovar e diagnosticar a existência do lipedema. O teste mostrou sensibilidade de 86,6% e especificidade de 90,91%, que são considerados altos. Obviamente ainda é necessário mais pesquisa para comprovar os resultados. De quebra o trabalho ainda mostrou que o lipedema é uma doença do sistema linfático, ou seja, do sistema vascular. O trabalho sugere que a deposição de gordura é secundária às alterações linfáticas, e não o contrário. Sabemos desde as primeiras publicações em 1940 sobre o comprometimento linfático do lipedema, principalmente nas fases avançadas do lipo-linfedema. Nas fases mais iniciais era evidente que havia uma “lentificação” do sistema linfático, mas a dúvida sempre pairou: o que vem antes? A gordura doente causando a lentificação linfática? Ou a lentificação linfática causando a gordura doente?

Campanha #junholipedema conscientizando os cirurgiões vasculares

O cirurgião vascular é o médico responsável pelo sistema arterial, venoso e linfático e deve ser acionado para o diagnóstico e tratamento. Sabemos bem das dificuldades do diagnóstico do lipedema entre os médicos, inclusive os cirurgiões vasculares, por isso a campanha #junholipedema visa a conscientização do publico médico sobre essa doença. Conseguimos nesse mês a divulgação de artigo em revista vascular sobre o Lipedema, para o público extremamente selecionado.

O maior problema do tratamento cirúrgico do lipedema é o risco de danos no sistema linfático. O cirurgião vascular, consciente e responsável pelo sistema linfático deve prevenir as fases avançadas do lipedema e tratar clinicamente e cirurgicamente.

Lipedema: não confundir com obesidade, linfedema e varizes

O lipedema e seus sintomas são frequentemente confundidos com obesidade, linfedema e varizes, problemas comuns no consultório do cirurgião vascular. Além disso, há a coexistencia desses problemas. Em torno de 50% das mulheres com lipedema, por exemplo, também possuem varizes. É necessário que o cirurgião vascular esteja atento à todos os possíveis diagnósticos

 

 

 

Bibliografia

  1. Ma W, Rockson SG, Oliver G. Platelet factor 4 is a biomarker for lymphatic-promoted disorders. 2020;
  2. Folha Vascular 234

 

O que você achou deste artigo?

Clique nas estrelas

Média da classificação / 5. Número de votos:

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Como você achou esse post útil...

Sigam nossas mídias sociais

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você!

Vamos melhorar este post!

Diga-nos, como podemos melhorar este post?

nv-author-image

Alexandre Amato

O Dr Alexandre Amato é médico, professor de cirurgia vascular da Universidade de Santo Amaro (UNISA), e tem quatro especialidade médicas reconhecidas pelo MEC e respectivas sociedades: cirurgião geral, cirurgião vascular, angiorradiologista e ecografista. Formou-se na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e especializou-se em vários hospitais privados e públicos em São Paulo. Aprofundou-se em cirurgia vascular em Milão, no hospital San Raffaele da Università Vita-Salute. Quando voltou, fez seu doutorado em cirurgia cardiotorácica na Universidade de São Paulo (USP). Fundou a Associação Brasileira de Lipedema para divulgar conhecimento de qualidade às mulheres portadoras de Lipedema.

Marcações: