No pain, no vein: campanha vasinhos sem dor

No pain, no vein (sem dor, sem veia)
()

Depois de muita pesquisa e diversas técnicas para minimizar a dor no tratamento dos vasinhos, passamos a fazer sedação consciente com gás seguro, de modo que não é mais necessário sentir dor na aplicação dos vasinhos, e, muito menos, medo da agulha.

Se você não faz a escleroterapia dos vasinhos por dor ou medo de agulha, saiba que agora há solução, sem a necessidade de ir ao centro cirúrgico para isso.

O laser para vasinhos foi o primeiro grande passo, excluindo a necessidade da agulha e diminuindo a sensibilidade dolorosa.

A crioanestesia foi o segundo grande passo, que, além de proteger a pele do calor do laser, também diminui a sensibilidade dolorosa. (CLACS)

Mas, apesar de tudo isso, ainda existiam pessoas com sensibilidade maior à dor, que ainda se sentiam incomodadas.

Agora, o último grande passo é a associação da sedação cosciente com gás (técnica Annox).

Com tudo isso, a sensibilidade é muito menor, sendo que a maioria das pacientes não sente nada.

Por isso, começamos a campanha “No pain, no vein“, ou seja, “sem dor, sem veia”. Pois não há necessidade de sentir dor ou medo para tratar as varizes

Essa mudança de paradigma com associação de técnicas seguras e comprovadas cientificamente permite ampliar as possibilidades de tratamento.

O que você achou deste artigo?

Clique nas estrelas

Média da classificação / 5. Número de votos:

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Como você achou esse post útil...

Sigam nossas mídias sociais

nv-author-image

Alexandre Amato

O Dr Alexandre Amato é médico, professor de cirurgia vascular da Universidade de Santo Amaro (UNISA), e tem quatro especialidade médicas reconhecidas pelo MEC e respectivas sociedades: cirurgião geral, cirurgião vascular, angiorradiologista e ecografista. Formou-se na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e especializou-se em vários hospitais privados e públicos em São Paulo. Aprofundou-se em cirurgia vascular em Milão, no hospital San Raffaele da Università Vita-Salute. Quando voltou, fez seu doutorado em cirurgia cardiotorácica na Universidade de São Paulo (USP). Fundou a Associação Brasileira de Lipedema para divulgar conhecimento de qualidade às mulheres portadoras de Lipedema.