De volta ao topo

A cirurgia de varizes

cirurgia venosa de varizes
cirurgia venosa de varizes

Cada vez mais os procedimentos minimamente invasivos (tratamento de varizes com laser) têm substituído as grandes cirurgias abertas para tratar veias varicosas ou varizes, mas a cirurgia tradicional de varizes continua sendo uma alternativa para certos casos. A decisão sobre qual tipo de cirurgia deve ser realizado varia de acordo com as condições do paciente, a localização das varizes, o tamanho e a extensão delas e a gravidade da presença de refluxo venoso, ou seja, quando as válvulas das veias que deveriam “segurar” o sangue permitem que ele retorne livremente pela veia.

Cirurgia de Varizes: cirurgia com laser, cirurgia tradicional e microcirurgia

    As cirurgias de varizes devem ser realizadas sempre por cirurgiões vasculares, e os pacientes que podem se sujeitar a elas são aqueles cujos sintomas indicam doença mais complexa. Esses podem ser, por exemplo, vasos com diâmetro maior, presença de úlceras ou infecção. Para que se decida sobre realizar a operação ou não, o paciente será avaliado, não somente pela gravidade da doença dele, mas também pelas suas condições de saúde de uma forma global, além de ter aval do anestesista.
 
Marque consulta com especialista em varizes
    As técnicas cirúrgicas tradicionais consistem na ligadura ou na retirada das veias, sendo que a escolha do procedimento mais adequado depende da localização, tamanho e extensão dos vasos afetados. Quando se opta pela retirada da veia, é introduzido um fio guia através dela em uma das extremidades que segue até o outro ponto a ser ligado. Assim, corta-se através da pele outros vasos que se ligavam a este principal, mas que serão preservados. Na extremidade do fio guia é ligada a ponta do vaso que se quer retirar, e então o cirurgião puxa o vaso até sua completa retirada. Os pequenos cortes são fechados com poucos pontos, sendo usados posteriormente curativos compressivos para evitar hematomas.
 
    Após a cirurgia, é comum dor de intensidade moderada a forte, controlada por analgésicos comuns. Também é indicado que se caminhe de 5 a 10 minutos aproximadamente a cada hora, não sendo bom ficar muito tempo em pé ou sentado (orientações podem variar por cirurgião e técnica escolhida). Além disso, quando estiver parado, as pernas devem ficar levantadas acima do nível do coração para melhorar o retorno venoso e evitar inchaços. Os hematomas são comuns e levam até 6 semanas para desaparecerem.
 
   Por ser uma cirurgia muito mais agressiva que a termoablação com laser, devemos ficar muito atentos no pós operatório: imediatamente após a cirurgia há três situações principais em que o cirurgião vascular deve ser chamado: quando há sangramento que atravessa o curativo várias vezes, apesar de ser compressivo e ter sido trocado recentemente, no caso de a ponta do pé ficar fria e azul (o curativo pode estar muito apertado) e se houver inchaço ou dor na perna que não alivia com as medicações. 
 
Average: 5 (1 vote)

Autor

Prof. Dr. Alexandre Amato: Cirurgião Vascular em São Paulo

Prof. Dr. Alexandre Amato
Cirurgião Vascular, Endovascular e Ecodoppler
Tratamento de varizes com laser(11) 5053-2222
Tudo sobre varizes e doenças vasculares
vascular.pro
Clínica de Cirurgia Vascular: Tratamento de VarizesAv Brasil, 2283, São Paulo, SP
FacebookTwitterYoutubeLinkedin

 

Amato, ACM. Cirurgia Vascular: O que você não pode ignorar. 1ª. edição. 2017
Amato, ACM. Procedimentos Médicos: Técnica e Tática. 2ª edição. 2016. Roca 
Amato, MCM. Manual do Médico Generalista na era do conhecimento. 2014. Roca