Indicações de cirurgia vascular de carótidas

Carótida obstruída causando isquemia cerebral: avc; acidente vascular cerebral
()
()
As artérias carótidas são vasos calibrosos localizados em ambos os lados do pescoço, responsáveis por levar sangue rico em oxigênio para a cabeça e, principalmente, para o cérebro humano. Quando estes vasos encontram-se doentes, eles podem privar o cérebro deste suprimento ao enviar êmbolos de gordura e cálcio que se formam na parede dos vasos por um processo chamado aterosclerose, levando ao conhecido “derrame” e outras doenças similares – cientificamente conhecido como acidente vascular encefálico isquêmico, ataque isquêmico transitório, entre outros.
Assim, a cirurgia de carótidas tem importante função em prevenir eventos pela primeira vez, ou evitar com que aconteçam novamente, promovendo uma chamada revascularização, ou seja, restaurando o fluxo de sangue normal de sangue novamente ao cérebro.
A cirurgia mais utilizada é a endarterectomia carotídea que através de uma abertura no pescoço, visa chegar às carótidas, acessando diretamente ao local do depósito de gordura dentro do vaso. Para preservar o fluxo ao cérebro no momento em que se retira os depósitos gordurosos, utiliza-se uma cânula que faz uma ponte para a região distante do local manipulado. Depois de retirada os depósitos, o vaso é fechado com ou sem o uso de materiais sintéticos que servem para remodelar e garantir o bom fluxo sanguíneo.
A avaliação médica com a conversa com o paciente, o exame físico e exames complementares são fundamentais para o diagnóstico. Já a indicação para cirurgia deve ser feita pelo médico cirurgião vascular e endovascular, que leva em conta a presença de sintomas e de eventos encefálicos prévios como o derrame e o grau de obstrução das artérias carótidas.
Os sintomas de obstrução são perda da visão, perda de força ou sensibilidade, dificuldade em articular palavras, entre outras. Elas podem ser momentâneas ou podem ser irreversíveis, caracterizando o derrame. Para quem já apresentou estes sintomas, e há obstrução maior que 50%, a cirurgia previne novos eventos e é portanto, bem indicada. Nos que não apresentam sintomas, quando a obstrução encontra-se maior que 80% há também indicação para correção com objetivo de evitar eventos novos.
É importante lembrar que cada pessoa possui características muito distintas, e que para cada um individualmente, o médico irá pesar os riscos versus os benefícios, discutindo as possibilidades mais adequadas em conjunto com o paciente e a família.

O que você achou deste artigo?

Clique nas estrelas

Média da classificação / 5. Número de votos:

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Como você achou esse post útil…

Sigam nossas mídias sociais

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você!

Vamos melhorar este post!

Diga-nos, como podemos melhorar este post?

O que você achou deste artigo?

Clique nas estrelas

Média da classificação / 5. Número de votos:

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Como você achou esse post útil...

Sigam nossas mídias sociais

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você!

Vamos melhorar este post!

Diga-nos, como podemos melhorar este post?

nv-author-image

Alexandre Amato

O Dr Alexandre Amato é médico, professor de cirurgia vascular da Universidade de Santo Amaro (UNISA), e tem quatro especialidade médicas reconhecidas pelo MEC e respectivas sociedades: cirurgião geral, cirurgião vascular, angiorradiologista e ecografista. Formou-se na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e especializou-se em vários hospitais privados e públicos em São Paulo. Aprofundou-se em cirurgia vascular em Milão, no hospital San Raffaele da Università Vita-Salute. Quando voltou, fez seu doutorado em cirurgia cardiotorácica na Universidade de São Paulo (USP). Fundou a Associação Brasileira de Lipedema para divulgar conhecimento de qualidade às mulheres portadoras de Lipedema.