De volta ao topo

Perguntas Frequentes - varizes

Um dos tratamentos das veias varicosas é a escleroterapia, que significa literalmente terapia do endurecimento da veia. Aqui no Brasil é conhecida como aplicação de vasinhos, e secagem de vasinhos, mas é uma técnica que pode também ser aplicada em veias maiores.

Os chamados popularmente de vasinhos são as teleangiectasias e veias reticulares que podem ser vistos através da pele como veias azuis ou verdes. Como essas veias podem ser vistas superficialmente aparentam ser o problema. Não são.
Essas veias freqüentemente não são o problema em si, são sinais de um outro problema adjacente, a falha da bomba periférica, principal responsável pelo retorno venoso. Com a falha da musculatura os efeitos disso serão percebidos e com o tempo piorarão.

Existem muitos tipos diferentes de laser, que variam desde seu comprimento de onda, potência, método de geração e outros aspectos. Basicamente é uma luz concentrada que atua em determinado tecido. No caso do laser de 980 nm, o foco principal é o pigmento contido na hemoglobina, de modo que ao encontrá-lo, a luz é absorvida e é então gerado calor. Cada laser atua em uma determinada faixa, sendo que não deve haver absorção por outros tecidos.

É bom entender que não há uma definição explicita sobre o que é exatamente uma sessão de escleroterapia de varizes. Para alguns é uma picada da injeção. Se forem duas picadas, serão 2 sessões e assim por diante. Para outros, seria 1 ml do produto, ou talvez 2 ou 3 ml. Uma sessão poderia ser também 1 membro, 1 perna, ou um lado da perna ou área pré determinada; talvez uma coxa; ou mesmo uma determinada região do membro. Alguns cronometram o tempo despendido, 1,2,3,4,5 minutos de aplicação, 10 minutos ou mais, e por aí vai.

Evitar ficar de pé por muito tempo, principalmente se parado; existem algumas profissões de risco como vigias/seguranças, professores, cirurgiões no centro cirúrgico. Manter o peso saudável ou perder peso se estiver com sobrepeso, pois a obesidade é fator de agravamento da doença. Praticar exercícios físicos é sempre bom se não houver outra contra-indicação; dentre os exercícios sugiro os que não causam impacto, como hidroginástica e natação, supervisionados. Uso de meia elástica deve seguir as orientações de seu médico.

 

Os vasinhos em si não se transformam em grandes varizes, porém, como já dito anteriormente, podem alertar para um problema maior, como uma insuficiência venosa e, nesse caso, se não tratar, as veias podem se tornar varicosas. Por isso a importância de tratar os vasinhos com o cirurgião vascular, que se preocupa com o todo e não apenas com o aspecto estético.

Homens não são imunes, mas as mulheres procuram mais o tratamento por causa estética. Teleangiectasias em homens são mais visíveis, maiores e mais escuras, e, quando procuram conselho médico freqüentemente é por sintoma como dor ou desconforto.

 

Cruzar as pernas aumenta momentaneamente a pressão nas veias superficiais, mas isso não parece ser um fator importante no desenvolvimento dos vasinhos na maioria das pessoas.

 

A principal causa de teleangiectasias e veias reticulares, os chamados vazinhos é a genética, como já elucidado previamente, sendo a gravidez e periodos prolongados de pé fatores agravantes.
Manter o peso ideal ajuda a prevenir uma pressão desnecessária em membros quando de pé, mas dieta e exercício não são fatores diretos.

O tabagismo é fator de risco para doenças arteriais e coronarianas, principalmente a aterosclerose. Embora haja evidências de que existem algumas substancias no tabaco, com efeitos oxidantes em veias, não existem evidências concretas que o cigarro causa vizinhos ou varizes. Porém, deixemos claro que isso não é motivo para continuar a fumar. O tabagismo é extremamente prejudicial à saúde, e, se continuar fumando, pode não precisar de um cirurgião vascular por causa de varizes, mas a probabilidade de necessitar de um cirurgião vascular por problemas arteriais mais graves, aumenta muito.

Inicialmente deve ficar claro que a decisão do método cirúrgico é do cirurgião, e somente quando há alternativas viáveis elas devem ser apresentadas como solução e aí sim a escolha é do paciente.

Isso é a mais pura verdade, na maioria dos casos varizes são hereditárias, são as chamadas varizes primárias. É claro que nem todos desenvolverão a os problemas da falha da bomba periférica, como dor nas pernas, inchaço/edema, coceira, eczema de estase, dermatite ocre (deposição de hemossiderina), lipodermatoesclerose (endurecimento da pele e subcutâneo), varicorragia (sangramento pelas varizes), úlceras venosas e varizes.

Enquanto o coração leva o sangue para os órgãos pelas artérias, as veias são responsáveis pelo retorno desse sangue, mas o coração sozinho não tem força suficiente para esse retorno. A musculatura da batata da perna é responsável pelo retorno do sangue pelas veias para o coração, e é chamada de bomba periférica ou coração periférico.

Inicialmente, devemos focar na bomba periférica, responsável pelo retorno venoso, e não somente nas veias varicosas. O ecodoppler é o melhor exame para avaliar a função da musculatura.
Operar sem o mapeamento venoso é possível, porém não é recomendável, pois a cirurgia se baseará somente no aspecto estético, e portanto, com um maior risco de recidiva.
Poucos cirurgiões se mantém atualizados nas últimas técnicas desenvolvidas e muitas vezes a cirurgia é realizada por residentes levando a índices de recidiva de 23% em 1 ano e 76% em 5 anos.

Gravidez não causa varizes, embora possa ser um fator agravante de veias insuficientes previamente existentes.
Portanto, quanto antes o tratamento é realizado:
Menos danos serão causados à pele e subcutâneo decorrentes da falha da bomba periférica e estase venosa.
Menos veias terão válvulas danificadas, e, portanto, o tratamento será menor.
Menor extensão da inflamação e portanto a recuperação será mais rápida.
Mais cedo o sofrimento é tratado, antes de uma piora decorrente da gravidez.

Não somente mulheres com refluxo venoso (ex: dano valvular) antes da gravidez apresentam varizes depois do parto ou durante a gravidez. Então não é a causa das varizes, mas sim da piora se já houver um problema valvar prévio.

Antes de mais nada as mulheres se vestem com as pernas de fora e não apresentam pelos, portanto qualquer veia tortuosa aparece muito mais nelas. Em segundo lugar as mulheres são mais preocupadas com a saúde e com a estética. Na realidade ainda não está bem definido se existe alguma prevalencia quanto ao sexo.
A prevalencia varia com a população estudada, de modo que ao avaliar a população que procura o médico o resultado é diferente de avaliar a população geral.

As mesmas veias, se foram efetivamente tratadas, ou seja se a cirurgia for bem feita, não voltam, entretanto, outras veias doentes podem aparecer com o tempo. Isso é normal, pois tratamos a conseqüência e não a causa primária.


Na cirurgia tradicional, ocorrem hematomas que é considerado evento normal de resolução lenta porém expontânea.
O pós operatório pode variar de acordo com o médico, gravidade da doença, técnica e procedimento realizado, mas basicamente, na grande maioria dos casos o a cirurgia é realizada em regime de day hospital, ou seja, alta hospitalar no mesmo dia ou dia seguinte, se não houver intercorrências.
O enfaixamento realizado na cirurgia deve ser retirado no dia seguinte.

Sim, entretanto, como qualquer outra cirurgia possue riscos e possíveis complicações, por isso só podem ser oferecidas como solução quando esses riscos são minimizados. O tratamento das varizes evoluiu muito nos últimos anos.

É preciso diferenciar a cirurgia a laser para tratamento de varizes do tratamento dos "vasinhos" (teleangiectasias e veias reticulares).

O laser é um dos métodos utilizados para tratamento dos vasos superficiais, ou seja, o feixe de laser é aplicado diretamente na pele, sobre o vaso, e, dependendo do comprimento de onda utilizado ele atua somente alguns tecidos, no caso, nas veias dilatadas (veja perguntas 22 e 23).

A partir do momento em que passa a causar sintomas, como inchaço, dor, cãibras, sensação de peso, cansaço vespertino em membros inferiores, hiperpigmentação (manchas), dermatite ou eczema (coceira e descamação) deixa de ser um problema somente estético. Mas o problema estético também pode ser tratado.

Varizes são veias dilatadas e tortuosas, visíveis a olho nú. Quando com essa aparência tortuosa é denominada de veia varicosa. Enquanto isso, a chamada Insuficiência Venosa Crônica é o termo utilizado quando essa doença venosa crônica é mais grave, incluindo inchaço e alterações de pele e subcutâneo.