De volta ao topo

Aneurisma da Aorta Abdominal (AAA)

Aneurisma de aorta abdominal

Aneurisma da aorta abdominal (AAA) ocorre quando a aterosclerose ou o acúmulo de placa faz com que as paredes da aorta abdominal se tornem fracas e protuberante para fora como um balão. Um AAA se desenvolve lentamente ao longo do tempo e tem alguns sintomas perceptíveis. Quanto mais um aneurisma cresce, mais provável é que ele vá estourar, ou romper, causando intensa dor abdominal ou dor nas costas, tonturas, náuseas ou falta de ar, e podendo levar ao óbito.
Seu médico pode confirmar a presença de um AAA com uma ecografia abdominal, TC abdominal e pélvica ou angiografia. O tratamento depende da localização e tamanho do aneurisma, bem como sua idade, função renal e outras condições. Aneurismas menores que cinco centímetros de diâmetro são normalmente monitorados com ultra-som ou exames de TC a cada seis a 12 meses. Aneurismas maiores, ou aqueles que estão crescendo rapidamente ou vazando, podem exigir cirurgia aberta ou endovascular.

 
O que é um aneurisma da aorta abdominal?
A aorta, a maior artéria no corpo, é um vaso sanguíneo que leva sangue oxigenado, para longe do coração. Origina-se logo após a válvula aórtica conectada ao lado esquerdo do coração e se estende através do interior do peito e abdômen. A porção da aorta que se encontra profundamente dentro do abdômen, bem na frente da espinha é chamada de aorta abdominal.
Ao longo do tempo, as paredes da artéria podem se tornar fracas e alargar, uma analogia seria o que pode acontecer com uma mangueira de jardim velha. A pressão do sangue através do bombeamento da aorta pode deixar esta área fraca com uma protuberância para fora, como um balão (chamado aneurisma). Um aneurisma da aorta abdominal (AAA, ou "triplo A") ocorre quando este tipo de enfraquecimento do vaso acontece na porção da aorta que corre pelo abdômen.
A maioria dos AAAs é o resultado da aterosclerose, uma doença degenerativa crônica da parede arterial, em que gordura, colesterol e outras substâncias acumulam nas paredes das artérias e formam depósitos macios ou duros chamados placas.
Aneurismas da aorta abdominal normalmente desenvolvem-se lentamente ao longo de um período de muitos anos e quase nunca causam quaisquer sintomas perceptíveis. Ocasionalmente, especialmente em pacientes magras, uma sensação de pulsação no abdômen pode ser sentida. Quanto mais um aneurisma cresce, maior é a chance de que vá estourar, ou romper.
Se um aneurisma se expande rapidamente, goteja, ou vaza, os seguintes sintomas podem se desenvolver de repente:

  • intensa e persistente dor abdominal ou nas costas que pode irradiar para as nádegas e pernas
  • transpiração e sudorese fria
  • tontura
  • náuseas e vômitos
  • aumento da frequência cardíaca
  • falta de ar
  • pressão arterial baixa.

Principais fatores de risco para um AAA incluem histórico familiar, tabagismo e hipertensão arterial de longa data. Os homens que têm um histórico de tabagismo devem fazer um rastreamento único para AAA entre as idades de 65 e 75. Homens com histórico familiar de AAA devem ser rastreados com 60 anos de idade.
Como um aneurisma da aorta abdominal é avaliado?
Muitos aneurismas da aorta abdominal são encontrados por acaso em exames de ultra-som, raio-x ou checagens por TC. O paciente muitas vezes está sendo examinado por um motivo não relacionado. Em outros pacientes que experimentam sintomas e procuram um médico, um médico pode ser capaz de sentir uma aorta pulsante ou ouvir sons anormais no abdômen com o estetoscópio (sopro).
Para confirmar a presença de um aneurisma da aorta abdominal, um médico pode pedir exames de imagem incluindo:

  • Ecografia abdominal (US): Ultrassom é altamente preciso para medir o tamanho de um aneurisma. Um médico também pode usar uma técnica especial chamada Ultrassom com doppler para examinar o fluxo de sangue através da aorta. Ocasionalmente a aorta não pode ser completamente vista devido ao intestino sobrejacente que bloqueia a visão do ultrassom ou em pacientes muito grandes.
  • Tomografia computadorizada abdominal e pélvica (TC): Este exame é altamente preciso na determinação do tamanho e extensão do aneurisma. 
  • Angiografia: este exame, que usa raios-x , TC ou RM e um material de contraste para produzir imagens de vasos sanguíneos por todo o corpo, é usado para ajudar a identificar anormalidades como aneurismas da aorta abdominal.

Como é tratado um aneurisma da aorta abdominal?
O tratamento depende de uma variedade de fatores, incluindo o tamanho e localização do aneurisma na aorta abdominal e a idade do paciente, funcionamento do rim e outras condições.
Pacientes com aneurismas, que são menores do que cinco centímetros de diâmetro são normalmente monitorados com ultrassom ou exames de TC a cada seis a 12 meses e podem ser aconselhados a:

  • parar de fumar
  • controlar a pressão arterial
  • diminuir o colesterol.

Tratamento cirúrgico pode ser recomendado para pacientes que apresentem aneurismas que estão:

  • maiores que 5 centímetros (2 polegadas) de diâmetro
  • crescendo rapidamente
  • vazando
  • sintomas compressivos
  • rotos.

Existem duas opções de tratamento:

  • Tradicional reparo cirúrgico (aberto): neste tipo de cirurgia, uma incisão é feita no abdômen e a parte danificada da aorta é removida e substituída por um tubo sintético chamado de enxerto de Dacron, que é costurado no lugar.
  • Cirurgia endovascular: Neste procedimento, que é menos invasivo do que um reparo aberto, uma endoprótese de stent anexada à extremidade de um tubo de plástico fino chamado cateter, inserido através de uma artéria na perna e manobrado até no abdômen, onde ele é posicionado dentro do aneurisma e preso no lugar com ganchos pequenos.

 

Average: 5 (1 vote)

Autor

Prof. Dr. Alexandre Amato: Cirurgião Vascular em São Paulo

Prof. Dr. Alexandre Amato
Cirurgião Vascular, Endovascular e Ecodoppler
Tratamento de varizes com laser(11) 5053-2222
Tudo sobre varizes e doenças vasculares
vascular.pro
Clínica de Cirurgia Vascular: Tratamento de VarizesAv Brasil, 2283, São Paulo, SP
FacebookTwitterYoutubeLinkedin

 

Amato, ACM. Cirurgia Vascular: O que você não pode ignorar. 1ª. edição. 2017
Amato, ACM. Procedimentos Médicos: Técnica e Tática. 2ª edição. 2016. Roca 
Amato, MCM. Manual do Médico Generalista na era do conhecimento. 2014. Roca