Coronavírus no Brasil e o que isso significa para você.

()
()
Bom, agora que o primeiro caso de coronavírus apareceu no Brasil (26/2/2020), precisamos conversar sobre o que isso significa para você. Trata-se de um homem de 61 anos, morador da cidade de São Paulo, que esteve na região da Lombardia, no norte da Itália, entre os dias 9 e 21 de fevereiro. Ao retornar da viagem, na última sexta-feira (21), o paciente apresentou os sinais e sintomas compatíveis com a doença (febre, tosse seca, dor de garganta e coriza). Atendido no Hospital Israelita Albert Einstein na segunda-feira (24), o homem foi submetido a exames clínicos que apontaram a suspeita de infecção pelo vírus. E preciso tempo para entendermos como vai ser o padrão de comportamento deste vírus, que é novo e tanto pode manter o mesmo padrão de comportamento de transmissão que apresentou no hemisfério Norte, onde, nesta época, está fazendo frio.

Em primeiro lugar: É motivo para desespero?

Não.

O que são os coronavírus?

Os coronavírus (CoV) são uma grande família viral, conhecidos desde meados dos anos 1960, que causam infecções respiratórias em seres humanos e em animais. Geralmente, infecções por coronavírus causam doenças respiratórias leves a moderada, semelhantes a um resfriado comum. A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem. Os coronavírus comuns que infectam humanos são alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1. O novo vírus é chamado de Covid-19 (2019-nCoV). Alguns coronavírus podem causar síndromes respiratórias graves, como a síndrome respiratória aguda grave que ficou conhecida pela sigla SARS da síndrome em inglês “Severe Acute Respiratory Syndrome”. SARS é causada pelo coronavírus associado à SARS (SARS-CoV), sendo os primeiros relatos na China em 2002. O SARS-CoV se disseminou rapidamente para mais de doze países na América do Norte, América do Sul, Europa e Asia, infectando mais de 8.000 pessoas e causando entorno de 800 mortes, antes da epidemia global de SARS ser controlada em 2003. Desde 2004, nenhum caso de SARS tem sido relatado mundialmente. Em 2012, foi isolado outro novo coronavírus, distinto daquele que causou a SARS no começo da década passada. Esse novo coronavírus era desconhecido como agente de doença humana até sua identificação, inicialmente na Arábia Saudita e, posteriormente, em outros países do Oriente Médio, na Europa e na África. Todos os casos identificados fora da Península Arábica tinham histórico de viagem ou contato recente com viajantes procedentes de países do Oriente Médio – Arábia Saudita, Catar, Emirados Árabes e Jordânia. Pela localização dos casos, a doença passou a ser designada como síndrome respiratória do Oriente Médio, cuja sigla é MERS, do inglês “Middle East Respiratory Syndrome” e o novo vírus nomeado coronavírus associado à MERS (MERS-CoV). Ou seja, aparecimento de novos vírus é frequente. Apenas temos hoje a informação em tempo real do mundo inteiro. Veja o mapa que fizeram para acompanhar a evolução do coronavírus atual aqui.

Manifestações Clínicas

Os coronavírus humanos comuns causam infecções respiratórias brandas a moderadas de curta duração, este último pode causar infecções mais graves. Os sintomas podem envolver coriza, tosse, dor de garganta e febre. Esses vírus algumas vezes podem causar infecção das vias respiratórias inferiores, como pneumonia. Esse quadro é mais comum em pessoas com doenças cardiopulmonares, com sistema imunológico comprometido ou em idosos. O MERS-CoV, SARS-CoV, assim como o Covid-19 causam infecções graves.

Período de incubação

De 2 a 14 dias

Período de Transmissibilidade

De uma forma geral, a transmissão viral ocorre apenas enquanto persistirem os sintomas. Mas é possível a transmissão viral após a resolução dos sintomas. Durante o período de incubação e casos assintomáticos não são contagiosos.

Transmissão inter-humana

Todos os coronavírus são transmitidos de pessoa a pessoa.

Modo de Transmissão

De uma forma geral, a principal forma de transmissão dos coronavírus se dá por contato próximo* de pessoa a pessoa. * Definição de contato próximo: Qualquer pessoa que cuidou do paciente, incluindo profissionais de saúde ou membro da família; que tenha tido contato físico com o paciente; tenha permanecido no mesmo local que o paciente doente (ex.: morado junto ou visitado). O vírus espalha-se com perdigotos e gotículas entrando em contato com olhos, boca e nariz.  

Fonte de infecção

A maioria dos coronavírus geralmente infectam apenas uma espécie animal ou, pelo menos um pequeno número de espécies proximamente relacionadas. Porém, alguns coronavírus, como o 2019-nCoV podem infectar pessoas e animais.  

O que fazer?

Se vir alguém que está visivelmente tossindo, espirrando, ou doente, pode escolher manter a distância maior que 2m, ou dar-lhe uma máscara para evitar espalhar as gotículas e perdigotos. Além de limpeza com álcool gel. No geral é uma boa idéia evitar multidões, porque não se sabe quem poderá estar doente, algumas pessoas podem não aparentar estar doentes, mas são contagiosas. Ainda bem que chegou após o carnaval… Às vezes a saliva de uma pessoa doente pode chegar a outras coisas, como mãos, maçanetas, apoio de braço, canetas, mouse, teclados, botão de elevador, copos, corrimões, e lenços. Se você tocar em alguma dessas coisas contaminadas e levar as mãos para o rosto (olhos, boca nariz), ou encostar em outras pessoas, pode acabar transmitindo o vírus. Os vírus conseguem sobreviver até 24 horas nos objetos. A única maneira eficiente de se livrar deles é lavar bem com sabão

Precauções

Não toque na sua cara ou na de ninguém Se tiver que encostar, lave bem suas mãos com sabão primeiro. Troque as máscaras assim que mostrarem uso, não mais do que 1 dia. Não compartilhe o uso de copos, comida, utensílios e toalhas. Se tiver acabado de lavar as mãos, não toque diretamente a maçaneta da porta, use o cotovelo ou uma toalha para abrir a porta. E finalmente lave sempre as suas mãos com sabão: antes de comer e depois de estar em público.

O que fazer se estiver gripado ou com sintomas?

Vá ao pronto socorro, utilizando mascara de proteção para não contaminar outras pessoas.  

Você tem cirurgia marcada e agora está com medo do coronavírus? É melhor cancelar a cirurgia?

Nós atuamos em hospital dia que não trata pacientes infectados, ou seja, não há razão para haver contaminação entre pacientes. A grande vantagem de um hospital dia é exatamente essa, a distância com outros pacientes contaminados. Hospitais gerais não podem fazer essa distinção, portanto aqueles pacientes que vão fazer uma cirurgia eletiva de varizes, por exemplo, podem passar ao lado de uma pessoa contaminada no corredor. Por isso a taxa de infecção hospitalar dos hospitais gerais não é zero. No hospital dia não tratamos infectologia, e, portanto, não há razão para haver outros pacientes contaminados. Também não há no hospital dia pronto-socorro, pois tratamos apenas doenças eletivas. Por isso o Instituto Amato, que é um hospital dia, é o local mais seguro para evitar contaminação de coronavírus com outros pacientes. No Instituto Amato não há necessidade de cancelar a cirurgia por essa razão.          

O que você achou deste artigo?

Clique nas estrelas

Média da classificação / 5. Número de votos:

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Como você achou esse post útil…

Sigam nossas mídias sociais

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você!

Vamos melhorar este post!

Diga-nos, como podemos melhorar este post?

O que você achou deste artigo?

Clique nas estrelas

Média da classificação / 5. Número de votos:

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Como você achou esse post útil...

Sigam nossas mídias sociais

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você!

Vamos melhorar este post!

Diga-nos, como podemos melhorar este post?

nv-author-image

Alexandre Amato

O Dr Alexandre Amato é médico, professor de cirurgia vascular da Universidade de Santo Amaro (UNISA), e tem quatro especialidade médicas reconhecidas pelo MEC e respectivas sociedades: cirurgião geral, cirurgião vascular, angiorradiologista e ecografista. Formou-se na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e especializou-se em vários hospitais privados e públicos em São Paulo. Aprofundou-se em cirurgia vascular em Milão, no hospital San Raffaele da Università Vita-Salute. Quando voltou, fez seu doutorado em cirurgia cardiotorácica na Universidade de São Paulo (USP). Fundou a Associação Brasileira de Lipedema para divulgar conhecimento de qualidade às mulheres portadoras de Lipedema.