De volta ao topo

Aneurismas

Aneurisma de aorta abdominal
Aneurisma de aorta abdominal

Quando uma artéria aumenta de tamanho a ponto de dobrar seu diâmetro, chamamos esta nova forma de aneurisma. O problema do aneurisma não é somente o aumento do vaso, mas o enfraquecimento de sua parede, pois, quanto maior a dilatação, maior as chances de ruptura.

O aneurisma se forma pelo efeito de mais de uma variável: idade avançada, “pressão alta”, tabagismo, genética – a síndrome de Marfan e outros defeitos genéticos -  sedentarismo, entre outros. A grande maioria dessas variáveis ou “fatores de risco” pode ser  minimizada com adoção de bons hábitos durante toda a vida, embora, quem já tem aneurisma, somente poderá fazer um diagnóstico precoce. Como sintoma pode-se sentir uma massa pulsátil ou dor no local acometido, mas, também, pode ser que não se sinta nada.

O local de acometimento mais frequente é em nossa principal artéria, chamada de artéria aorta. Esta artéria tem um longo trajeto, começando nas “câmaras” cardíacas esquerdas, descendo pelo tórax até passar para a cavidade abdominal, quando recebe o nome de artéria aorta abdominal. É nesse segmento que encontramos, na maior parte das vezes, os aneurismas quando presentes. Da artéria aorta abdominal nascem duas artérias renais, uma de cada lado, e no seu trajeto principal segue emitindo outros pequenos ramos até tornarem-se as artérias ilíacas, direita e esquerda. Em todos esses pontos pode haver a formação dos aneurismas. Inclusive na arteria esplênica, que irriga o baço.

Vale lembrar que toda artéria pode tornar-se aneurismática principalmente quando há muitos “fatores de risco” (veja 3 dicas para evitar aneurismas). Assim, dependendo do lugar em que surge, por sua fragilidade e possibilidade de ruptura, representa maior ou menor gravidade: os casos mais preocupantes ocorrem no cérebro e na artéria aorta, pois por circular sangue com alta pressão, pode ocasionar grandes perdas sanguíneas rapidamente.

Uma vez identificado o aneurisma, o acompanhamento deve ser regular com um médico cirurgião vascular para verificar a velocidade de crescimento e se há indicação ou não de correção com cirurgia, bem como o tipo de tratamento cirúrgico mais adequado.  Atualmente, utilizam-se técnicas menos invasivas, que vão por dentro dos vasos, chamadas endoproteses. Informe-se com seu médico e verifique a necessidade de consultar um especialista.

Anatomia: 

Aorta abdominal

Fatores de Risco: 
  • Idade acima dos 60 anos
  • Tabagismo
  • Hipertensão
  • Colesterol alto
  • Ser do sexo masculino
  • Histórico de aneurisma na família.

 

Evolução Natural: 

O aneurisma tende a crescer lentamente até sua ruptura.

Prevenção Primária: 

Não fumar, controlar a pressão arterial

Sinais ou Sintomas: 

A maioria é assintomático, ou seja, não apresenta sintoma nenhum. Mas nas fases mais avançadas é possível apresentar dor abdominal, saciedade  precoce, pulsação abdominal, dor na região lombar ou sensação de peso abaixo das costelas.

Prognóstico: 

Realizando o tratamento cirúrgico os pacientes operados passam a ter um prognostico melhor do que os não operados, mas ainda assim pior do que a população em geral devido às comorbidades.

Tratamentos Possíveis: 
  • Cirurgia aberta de aneurisma
  • Exclusão endovascular de aneurisma com endoprótese
Complicações Possíveis: 

Ruptura do aneurisma

Código: 
I71
Average: 5 (1 vote)

Autor

Prof. Dr. Alexandre Amato: Cirurgião Vascular em São Paulo

Prof. Dr. Alexandre Amato
Cirurgião Vascular, Endovascular e Ecodoppler
Tratamento de varizes com laser(11) 5053-2222
Tudo sobre varizes e doenças vasculares
vascular.pro
Clínica de Cirurgia Vascular: Tratamento de VarizesAv Brasil, 2283, São Paulo, SP
FacebookTwitterYoutubeLinkedin

 

Amato, ACM. Cirurgia Vascular: O que você não pode ignorar. 1ª. edição. 2017
Amato, ACM. Procedimentos Médicos: Técnica e Tática. 2ª edição. 2016. Roca 
Amato, MCM. Manual do Médico Generalista na era do conhecimento. 2014. Roca