Porque não fazer a cirurgia tradicional de retirada das safenas ?

Inicialmente deve ficar claro que a decisão do método cirúrgico é do cirurgião, e somente quando há alternativas viáveis elas devem ser apresentadas como solução e aí sim a escolha é do paciente. Mas, comparando a técnica cirúrgica tradicional com a termoablação por laser, a cirurgia aberta apresenta incisões desnecessárias na cirurgia a laser, a dor no pós operatorio é maior que na cirurgia a laser, embora possa ser controlada medicamentosamente; o tempo de recuperação é mais prolongado do que na cirurgia a laser; em muitos serviços, a anestesia geral ainda é feita na cirurgia tradicional.
A tratamento cirúrgico por laser apresenta uma melhor evolução, tempo de cirurgia menor, menor incidência de complicações, caso ocorram, são freqüentemente de menor intensidade ou gravidade; o retorno às atividades habituais é mais rápido, dependendo muito do caso, mas variando de poucos dias a uma semana.
Um trabalho recente, publicado na respeitada revista Vascular, que analisou todos trabalhos recentes comparando a técnica tradicional de cirurgia de varizes, com as técnicas endovasculares (laser e radiofrequencia) mostra claramente que o retorno as atividades normais e trabalho ocorre muito mais cedo na cirurgia a laser, em torno de 5 dias ,e a radiofrequencia em torno de 8 , que a cirurgia aberta tradicional. A segurança também foi maior com a cirurgia a laser e radiofrequencia, com menos complicações como trombose, parestesia, queimaduras e infecção.

Brar, R; Nordon, IM, Hinchliffe, R.J. Surgical Management of Varicose Veins: Meta Analysis. p 205-220. vascular. vol 18. n. 4



Marcações:
nv-author-image

Dr. Alexandre Amato

O Dr Alexandre Amato é médico, professor de cirurgia vascular da Universidade de Santo Amaro (UNISA), e tem quatro especialidade médicas reconhecidas pelo MEC e respectivas sociedades: cirurgião geral, cirurgião vascular, angiorradiologista e ecografista. Formou-se na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e especializou-se em vários hospitais privados e públicos em São Paulo. Aprofundou-se em cirurgia vascular em Milão, no hospital San Raffaele da Università Vita-Salute. Quando voltou, fez seu doutorado em cirurgia cardiotorácica na Universidade de São Paulo (USP). Fundou a Associação Brasileira de Lipedema (www.lipedema.org) para divulgar conhecimento de qualidade às mulheres portadoras de Lipedema.