Confira 5 tipos de tratamentos de varizes

tratamentos varizes - Veia

As varizes atingem uma parcela considerável do público feminino. Além de comprometer a estética das pernas, as varizes também indicam problemas circulatórios e podem evoluir para doenças mais graves como a trombose. Felizmente, existem vários tratamentos para as varizes e é sobre eles que falaremos a seguir. Confira.

Sumário

Meia 3/4 Compressão Suave 11-14 mmHg Importada Classic 70 Feminina Tamanho:3;Cor:Natural Escuro
Meia 3/4 Masculina Actitud 190B 15-20 Mmhg Sigvaris Caqui Grande
Meia 7/8 Elástica Anti Trombo 18-23 mm, Branco, Médio, Sigvaris
Meia Kendall 3/4 Média Compressão c/ ponteira 1671
Meia 7/8 Coxa Basic Média Compressão 20-30 mm Longa, Bege, Sigvaris, G3
Meia Calça Kendall Média Compressão s/ ponteira 1701
Meia 3/4 Compressão Suave 11-14 mmHg Importada Classic 70 Feminina Tamanho:3;Cor:Natural Escuro
Meia 3/4 Masculina Actitud 190B 15-20 Mmhg Sigvaris Caqui Grande
Meia 7/8 Elástica Anti Trombo 18-23 mm, Branco, Médio, Sigvaris
Meia Kendall 3/4 Média Compressão c/ ponteira 1671
Meia 7/8 Coxa Basic Média Compressão 20-30 mm Longa, Bege, Sigvaris, G3
Meia Calça Kendall Média Compressão s/ ponteira 1701
Price not available
R$ 111,89
R$ 139,00
R$ 54,90
R$ 189,99
R$ 99,05
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
Meia 3/4 Compressão Suave 11-14 mmHg Importada Classic 70 Feminina Tamanho:3;Cor:Natural Escuro
Meia 3/4 Compressão Suave 11-14 mmHg Importada Classic 70 Feminina Tamanho:3;Cor:Natural Escuro
Price not available
-
-
Meia 3/4 Masculina Actitud 190B 15-20 Mmhg Sigvaris Caqui Grande
Meia 3/4 Masculina Actitud 190B 15-20 Mmhg Sigvaris Caqui Grande
R$ 111,89
-
-
Meia 7/8 Elástica Anti Trombo 18-23 mm, Branco, Médio, Sigvaris
Meia 7/8 Elástica Anti Trombo 18-23 mm, Branco, Médio, Sigvaris
R$ 139,00
-
-
Meia Kendall 3/4 Média Compressão c/ ponteira 1671
Meia Kendall 3/4 Média Compressão c/ ponteira 1671
R$ 54,90
-
-
Meia 7/8 Coxa Basic Média Compressão 20-30 mm Longa, Bege, Sigvaris, G3
Meia 7/8 Coxa Basic Média Compressão 20-30 mm Longa, Bege, Sigvaris, G3
R$ 189,99
-
-
Meia Calça Kendall Média Compressão s/ ponteira 1701
Meia Calça Kendall Média Compressão s/ ponteira 1701
R$ 99,05
-
-

5 tratamentos contra as varizes

Os tratamentos para as varizes dividem-se em meios tradicionais, modernos, com aplicação isolada ou em conjunto. A escolha do procedimento depende da avaliação do médico especialista. Saiba mais a seguir.

1) Escleroterapia

escleroterapia é um dos procedimentos mais usados no combate às varizes devido ao seu resultado satisfatório e simplicidade de execução. Esse tratamento consiste na aplicação de uma substância diretamente nas varizes, fazendo com que elas sequem e se tornem invisíveis.

A escleroterapia é indicada para o tratamento de varizes finas e vasinhos perceptíveis, que sempre causam muito incômodo estético nas mulheres. É um método invasivo e tanto a indicação quanto a sua aplicação deve ser realizada por um médico especialista como um cirurgião vascular.

Existem dois tipos de escleroterapia: a tradicional, com aplicação de glicose 75% e a com espuma, com aplicação de polidocanol. Vamos saber mais sobre elas a seguir.

Sejam bem-vindos ao canal do Instituto Amato! Eu sou o Dr. Alexandre Amato, Cirurgião Vascular no Instituto Amato, e nesse vídeo falaremos sobre a escleroterapia de varizes.

o olá sou o doutor alexandre amato  cirurgião vascular do instituto amato e  hoje eu vou falar sobre a escleroterapia  de varizes você deve conhecer eu já  falei bastante sobre a escleroterapia  dos vasinhos que são esses aqui mas é  possível também fazer a escleroterapia  de varizes maiores de ver as grandes  dilatadas e tortuosas visíveis a olho nu  então essas veias varicosas elas podem  ser tratadas cirurgicamente é a  microcirurgia com laser que são as  técnicas de escolha mas há uma  alternativa que é a espuma de  polidocanol a famosa espuminha ela é  capaz de tratar vez maiores a questão é  apesar de ser capaz de tratar veias  maiores ela não é tão eficaz quanto o  tratamento cirúrgico como a espuma ela  tem uma taxa de oclusão em torno de 80  é isso significa se você fizer uma  escleroterapia de uma veia varicosa con  espuma hoje em um ano tem vinte porcento  de chance dessa veia até aberto  novamente além disso há a necessidade o  limite de injeção de espuma por  procedimento tem se tiver muita veia  para ser tratada pode ser necessário  fazer várias sessões até pela quantidade  de veias mas é às vezes ela não  desaparece da primeira vez então a mesma  veio aqui já foi tratada a precisa ser  tratada novamente então é a logística do  tratamento com a espuma ela é muito  inferior a logística de do tratamento  cirúrgico é necessário a visita o  consultório várias vezes o uso da meia  elástica por uso prolongado com a  compressão excêntrica nesse local do  tratamento  o que é conseguir o fechamento dessa  veia para quem tem alguma alguma aversão  ao tratamento cirúrgico pode ser uma uma  alternativa mas eu vejo a escleroterapia  das varizes como utilidade muito forte  em quem não pode fazer o tratamento  cirúrgico por alguma razão que seja  então se tiver alguma contra-indicação  muito grave alguma outra doença que  impeça de fazer o tratamento com  cirúrgico aí o a espuma pode ver bem a  calhar né agora quando a gente tá  comparando a espuma com a cirurgia  tradicional eu entendo que haja uma uma  vontade de ir para o minimamente  invasivo mesmo que o seu resultado não  seja tão bom quanto no tratamento  cirúrgico mas quando a gente fala das  técnicas cirúrgicas atuais minimamente  invasivas como o laser com sedação e  anestesia local ou seja não precisa nem  de  o dizia nem de anestesia geral a  diferença é muito grande a microcirurgia  e o laser para tratamento de safena  paciente interna faz a cirurgia as nove  horas da manhã meio-dia tá indo para  casa então e o procon um problema  resolvido sem ter que se preocupar com  essa taxa de oclusão de oitenta por  cento o laser a taxa de oclusão de 99  por cento em um ano só um paciente em  sem vai ter uma abertura na uma  reabertura dessa vez que vai precisar  tratar novamente então a escleroterapia  de varizes existe é uma técnica  consagrada é secundária as outras  técnicas atuais mais pode e deve ser  aplicada em casos selecionados gostoso  nosso vídeo compartilhe assim nosso  canal e até o próximo a  e aí  e aí 

a) Escleroterapia tradicional (aplicação de glicose)

Nesse tipo de tratamento, uma solução de glicose é injetada na área afetada com o intuito de fazer com que as varizes desapareçam. É uma técnica simples, apesar de invasiva e recomendada para vasos com até 2mm de diâmetro.

A glicose é uma substância natural e não provoca alergias ou rejeições no organismo. Apesar disso, é técnica de baixo poder esclerótico.

Algumas pessoas também podem se incomodar com o uso da agulha, mas, o incômodo provocado pelas aplicações é completamente suportável. Por isso podemos acrescentar a técnica Annox para sedação consciente.

Para que os resultados sejam satisfatórios é preciso realizar o tratamento completo, seguindo o número de aplicações recomendadas pelo médico que acompanha a paciente.

b) Escleroterapia com espuma (aplicação de polidocanol)

Essa modalidade é a mais indicada para vasos com até 4mm de diâmetro, embora possa funcionar com vasos de quase qualquer tamanho. Em vez da glicose, é aplicada nas veias uma solução esclerosante, com consistência de espuma, chamada de polidocanol. Essa substância é muito mais potente do que a glicose, mas tras outros riscos associados.

Esse procedimento não é recomendado para idosos, gestantes e pessoas que já tenham sofrido com embolia pulmonar.

2) Laser transdérmico

Nesse tipo de tratamento é utilizado um feixe de luz diretamente nas varizes, ocasionando o sumiço delas por causa do calor. O laser transdérmico pode ser aplicado de duas formas: isoladamente ou em conjunto com a escleroterapia.

Diferente da escleroterapia, o laser transdérmico é um método não invasivo. Sua aplicação é recomendada para tratar vasos de menor calibre e não é indicada para pessoas com histórico de câncer de pele ou outras doenças dermatológicas.

Laser e aplicação no mesmo procedimento para aumentar as chances de sucesso no tratamento de vasinhos e também para diminuir o desconforto. Dr Alexandre Amato, cirurgião vascular do instituto Amato (www.amato.com.br) fala sobre essa técnica que melhora os resultados e tem sido cada vez mais utilizada.

Olá, sou Dr. Alexandre Amato, cirurgião  vascular do Instituto Amato, e hoje  vou falar sobre uma técnica de  tratamento de vasinhos que CLACs, O  CLACs nada  mais é  do que uma associação de técnicas o crio  laser associado a crio  escleroterapia.  Então são duas técnicas que  atuam no vasinho  de maneiras diferentes potencializando  o efeito esclerótico  de cada uma dessas técnicas.  Então crio laser significa  um laser disparado de  forma transdérmico ou seja acima  da pele não por dentro da veia  guiado pela fleboscópio.  É um aparelho que vai mostrar  para a gente onde estão as veias dos  doentes. Com ar gelado, bem  gelado então eu crio  o crio de frio  esse frio ele vai causar uma  analgesia nessa região ou  seja não vai sentir dor e ainda vai  proteger a pele de algum dado  da temperatura mais alta que o laser  vai causar. Então criei o  laser. Ele atua causando  um aumento da temperatura do  sangue dentro do vaso e esse  aumento da temperatura vai queimar o  vaso por dentro causando o  fechamento desse vasinhos.  Só que além disso a gente acrescenta  então a crio  escleroterapia então escleroterapia  o nome significa  o endurecimento do vaso mas  na verdade a gente injeta uma  substância. Existem  várias substâncias esclerosantes.  Essa substância vai  causar então uma destruição dessa  primeira  camada de células do vaso levando a  uma esclerose, uma  fibrose e um  desaparecimento desse vaso.  Agora porque que  o crio-escleroterapia. Porque quando  a gente faz isso com a técnica da  glicose e a glicose numa  temperatura bem baixa ela muda a  consistência e ela fica  muito mais eficaz porque ela vai  atuar não só pela hiper  osmolaridade.  A alta concentração da glicose  mas também pelo frio.  Além de diminuir a sensibilidade  dolorosa então o CLACs  é crio laser  associado à crio glicose.  São duas técnicas só o  crio o gelo já vai diminuir bastante  a sensibilidade à dor.  Mas a gente ainda  pode associar a técnica de Annox que  é a sedação consciente  pra diminuir mais  ainda a sensibilidade dolorosa.  Então a gente fazendo dessa maneira  diminui a dor aumenta  a possibilidade de resultado  e como o laser e a  glicose são técnicas que têm baixa  probabilidade de mancha.  Veja, não estou falando zero  probabilidade de mancha mas tem  muito menos chance de manchar  do que outras técnicas.  A gente atinge uma  eficácia maior com menos risco  de manchas.  Então o CLACs é isso: laser  glicose e a gente ainda  pode colocar na sopa de letrinhas aí com  a técnica Annox para diminuir mais  ainda a sensibilidade à dor.  Gostou desse vídeo?  Curta!  Assine nosso canal! Compartilhe!  Clica no Sininho aqui embaixo  e até o próximo. 

a) Tratamento isolado

Nessa opção, há apenas a aplicação do laser transdérmico, sem interferência de outros métodos.

b) Tratamento laser associado à escleroterapia (CLACS)

Nesse tipo de tratamento, são utilizados o laser e também a escleroterapia tradicional, com aplicação de glicose 75%. É uma metodologia recomendada e aplicada nas varizes de maior calibre que não são removidas totalmente apenas com a escleroterapia e nem com o laser.

Ao juntar esses dois tratamentos, o resultado é mais completo e satisfatório.

3) Microcirurgia

microcirurgia é indicada para o tratamento de varizes de pequeno e médio porte e é considerado um procedimento minimamente invasivo. A cirurgia acontece após a aplicação de uma anestesia local e a sedação da paciente.

A microcirurgia é utilizada para a retirada da veia varicosa através de incisões mínimas e que não necessitam de suturas. A cicatrização é rápida e o pós-operatório também é tranquilo.

A única contraindicação é para pacientes que tenham alguma alergia às substâncias anestésicas ou que sofram de alguma doença grave cardiovascular.

A microcirurgia e o CLaCs são excelentes técnicas para tratar varizes sem insuficiencia de grandes vasos. Mas qual é o melhor? Quais são as vantagens e desvantagens de cada método? Fugir da microcirurgia por causa da anestesia? Mas é anestesia local com sedação, sem raqui. Dr Alexandre Amato, cirurgião vascular do instituto Amato (www.amato.com.br) explica quais as melhores alternativas para você.

Olá. Sou Doutor Alexandre Amato,  cirurgião vascular do Instituto  Amato, e hoje vou falar sobre o  tratamento estético da classificação  1 e 2 ou seja os vasinhos  reticulares e algumas veias  varicosas menores que têm  várias possibilidades e  uma dúvida que surge quando a  gente se oferece  duas boas opções o que selecionar?  Então  nessa fase da  doença o tratamento dos vasinhos  e das reticulares.  Nós temos a micro cirurgia seguida  das aplicações e a  técnica de CLaCs ou crio laser com  crio escleroterapia do  outro lado.  Muitas vezes eu ofereço essas  duas opções o paciente fica  com dúvidas: o que eu vou fazer?  Primeiro quero tirar esse peso  da consciência: as  duas opções são muito boas e o  resultado é muito bom. Uma técnica  pode ser embora  o resultado seja bom pode não ser  mais adequado ao seu estilo de vida,  ou da maneira como quer resolver  o problema. Então vamos lá. Vou  falar da micro cirurgia seguida de  aplicação.  É uma técnica que quando  feita de forma minimamente  invasiva é feita com sedação e  anestesia local.  Não há necessidade de  raquianestesia, não há necessidade  de anestesia geral, de  forma que são feitos pequenos  furinhos que não é necessário ponto  e essas veias são  retiradas através desses furinhos.  É um evento cirúrgico então  há a necessidade de ir para o  hospital dia. Interna-se.  Faz o procedimento e vai  embora. Então se marcado para  as 9 horas da manhã ao meio dia, uma  hora já está indo embora para casa.  É  um procedimento relativamente  simples e aproveitando a sedação é  feito também a escleroterapia,  ou seja, é injetado substância  dentro da veia para que ela  esclerose e acabe  sumindo.  A questão é embora  a micro cirurgia, a retirada dessas  veias, seja um  procedimento pontual em que essas  áreas são retiradas não voltam mais  a escleroterapia realizada  nesse procedimento não  necessariamente vai fazer sumir  todos os vasinhos superficiais  podendo ser necessário a  realização de escleroterapia no pós  tratamento, após um mês  quando saiu todos os hematomas.  Então a micro cirurgia seguida da  aplicação normalmente é um evento  cirúrgico.  Esse evento normalmente  o convênio deve  cobrir. É realizado a  micro cirurgia + escleroterapia o  paciente volta já tem uma melhora  estética e da  doença muito grande e depois  pode ser necessário realizar outras  sessões para o tratamento.  Que pode ser sessão com laser,  sessão com escleroterapia.  Falando do outro procedimento  seria o CLaCs criolaser com a  escleroterapia, é  um procedimento que também consegue  tratar tantos desses vasinhos  superficiais quantos as veias reticulares, que  são as veias nutridoras as veias  maiores que passam por trás.  Só que é  necessário algumas sessões para  que isso ocorra. A gente tenta  concentrar todo  o tratamento em três sessões  mas muitas vezes pode  ser necessário outras sessões.  O que vai variar é a quantidade de  disparos.  Então uma sessão pode ter poucos  disparos como 100 disparos  ou pode ter uma sessão muito  grande com 1.000 mil  disparos. Esses disparos  vão  causar a lesão do vaso  tanto superficial quanto esses  maiores causando então a esclerose e  o fechamento desses vasos.  A diferença é que no  CLaCs o  procedimento ele tem que ser  repetido normalmente a  cada três semanas a gente repete até  que obtenha o  resultado final com o fechamento  dessas veias.  Não é um procedimento que vem,  faz  e a veia já  foi embora mas, por  outro lado, é um procedimento em que  não é necessária anestesia local.  Ultimamente eu tenho feito com  sedação consciente.  É uma técnica que a baixa  significativamente a  sensibilidade à dor ,embora  não seja necessário. Dá para fazer sem  essa sedação também,  mas, é  extremamente confortável e não há mudança  nenhuma nos  cuidados na  vida normal.  Então vem faz o tratamento com o  laser, levanta e vai  embora. Não há cuidados  maiores que não seja evitar  o sol e  fazer uma academia no mesmo dia.  Então a micro cirurgia  é um procedimento que vai ser  necessário os cuidados pós  operatórios com o uso da meia  elástica.  Há um repouso  relativo.  Ou seja não vai ficar na  cama o tempo todo vai  se movimentar. Mas geralmente eu  peço um afastamento de alguns dias  para se  recuperar.  Do outro lado o laser não  há esse período de recuperação.  Já volta às atividades normais  no dia seguinte.  Então veja, o resultado final é  muito parecido principalmente quando  a gente usa as técnicas  mais avançadas  mas a maneira de chegar lá  é um pouquinho diferente.  Não sofra com essa decisão.  Discuta com seu cirurgião vascular  as possibilidades.  Entenda se quando ele está fazendo  uma micro cirurgia ele está fazendo  com sedação e anestesia local  que é uma diferença brutal na  recuperação pós  anestésica ou pós cirúrgica  imediata.  Entenda qual o laser que ele  está fazendo também porque  existem vários tipos de laser  diferente e a geração  mais nova dos equipamentos é muito  mais efetiva para o tratamento  dessas veias maiores.  Os lasers mais antigos eles doem  mais, incomodam mais, e  podem não ser tão efetivos.  Bom, resumindo, é necessário  conversar com o seu cirurgião  vascular para ver o que ele tem à  disposição. Quais as técnicas  que ele te oferece e  não sofra com essa decisão entenda o  que encaixa melhor na sua vida  e vá em frente.  Siga o seu sonho de ter uma perna  bonita. Gostou dos nossos vídeo?  Assine nosso canal.  Clique no Sininho.  Receba nossas notificações  e até a próxima. 

4) Safenectomia tradicional (stripping)

Um dos tratamentos mais tradicionais das varizes, a safenectomia é recomendada para aquelas veias extremamente tortuosas e dilatadas, com funcionamento quase nulo. O procedimento consiste na retirada da veia safena, localizada nos membros inferiores.

É considerada a técnica mais agressiva de tratamento das varizes, mas têm ótimos resultados a longo prazo, além de execução simples.

Você vai saber tudo sobre cirurgia de varizes. Falamos muito da cirurgia de varizes com laser e radiofrequencia, que são as técnicas mais modernas e indicadas, mas, no nosso país, infelizmente ainda é feito muita cirurgia de varizes tradicional/convencional, porque os convênios ainda não liberam o procedimento a laser. Você vai aprender o que isso significa para sua saúde. Por isso é importante você saber como é feito o procedimento e quais os cuidados na cirurgia de varizes tradicional, também chamada de tecnica de stripping. O Prof. Dr. Alexandre Amato explica para você como é, e o que fazer no pós operatório de varizes.

Olá, sou Doutor Alexandre Amato, sou cirurgião vascular do Instituto Amato e hoje eu vou  responder uma pergunta sobre como é o pós operatório da cirurgia de varizes convencional.  Bom, quando estamos falando de cirurgia convencional pode ser uma cirurgia com tratamento de safena  ou uma cirurgia sem o tratamento de safena.  O tratamento de safena convencional é a técnica de striping, ou seja, o arrancamento dessa  safena.  Quando não tem o tratamento da safena, ela não é arrancada, então normalmente se faz  a técnica da micro cirurgia em que são pequenos furinhos que são realizados para a retirada  dessas veias.  Esses furinhos então são bem pequeninhos, a recuperação é bem rápida, obviamente  varia muito de cirurgião pra cirurgião, de alguns detalhes da técnica que foram utilizados,  mas muitas vezes em 1 semana já voltou às atividades normais.  Tô falando na cirurgia de varizes convencional sem o tratamento de safena.  Agora, quando há o tratamento da safena de forma convencional é feito um corte na virilha,  é feito um corte na perna, é passado um fio de aço por meio dessa veia e ela é retirada,  é arrancada.  Existem várias técnicas intra-operatórias, ou seja, medidas que a gente toma dentro da  cirurgia pra evitar um grande sangramento.  Então, como por exemplo a compressão, a gente fica comprimindo o local por bastante  tempo.  Isso diminui o tamanho do hematoma, mas sempre há um hematoma considerável.  O sangue fora da veia ele é um potente inflamatório.  O sangue tem que ficar dentro da veia, não pode ficar fora, se ele tá fora o corpo reconhece  como alguma coisa errada e ele vai desencadear um processo de inflamação.  E essa inflamação dói, essa inflamação incomoda.  Tudo isso com intuito de reabsorver esse sangue e colocá-lo de volta no seu devido lugar.  Essa inflamação então, vai perdurar por dias, semanas e aumenta o tempo de recuperação.  Então, a recuperação pós-operatório de uma cirurgia de varizes tradicional muitas  vezes passa dos 15 dias chegando até a 1 mês pra voltar às atividades normais.  Mas o que é necessário fazer?  Como toda cirurgia de varizes, não é adequado ficar em repouso absoluto.  Deitar e ficar parado na cama isso é risco de trombose.  Não deve ser feito, nem na cirurgia tradicional nem na cirurgia com laser, nem na cirurgia  com rádio frequência, nem em nenhuma técnica.  É necessária a movimentação.  Então, é sugerido o repouso relativo, que quando há algum incômodo, quando sente alguma  dor, sente algum inchaço, vai deitar e colocar a perna pra cima.  A medida que o tempo passa, menos tempo deitado, mais tempo fazendo as atividades diárias.  Então, esse é o repouso relativo.  O uso da meia elástica também traz conforto e segurança pro paciente e diminui o risco  de uma trombose.  Na cirurgia tradicional ainda é necessário o uso de medicação pra evitar ou diminuir  os sintomas, então, sintomas como dor e inchaço muitas vezes são amenizados com uso de alguns  anti-inflamatórios e alguns fitoterápicos.  Então, é necessário retornar com seu cirurgião pra ele rever como que ficou as feridas operatórias,  se há alguma infecção, se há alguma tromboflebite pra tomar as medidas necessárias, cabíveis  aí em cada caso.  Então, resumindo, o paciente faz a cirurgia tradicional de varizes e ele vai precisar  retornar em breve com o seu cirurgião e nesse meio tempo ele vai fazendo as medidas profiláticas,  as medidas de cuidados pós-operatórios, e após a primeira semana, ele pode voltar  às atividades habituais progressivamente.  Gostou do nosso vídeo?  Curta, compartilhe e muito obrigado!  Até a próxima! 

5) Termoablação de safenas e perfurantes

Esse tratamento de varizes é uma modalidade recente, mas já com muitos adeptos e resultados excelentes. Fazemos a termoablação com laser há mais de 1 década e chegamos a publicar internacionalmente nossos resultados. A técnica consiste na aplicação de calor na veia safena para que a mesma deixe de funcionar.

O tratamento é minimamente invasivo e acontece por meio de uma punção da veia, sem incisões na pele. O médico é orientado pelo ultrassom durante todo o processo.

A termoablação pode ser executada de duas formas: a laser e por radiofrequência. Os dois tratamentos são eficazes, rápidos e com resultados duráveis. Veja a seguir detalhes dos dois tipos.

a) Termoablação a laser (endolaser)

No endolaser, o paciente é sedado por meio de anestesia local. A parede da veia doente é eliminada com a ação do calor emitido pela luz com apenas um comprimento de onda. É um procedimento que substitui a cirurgia tradicional.

Dr Alexandre Amato, cirurgião vascular e endovascular do instituto amato, explica quais são as indicações da cirurgia de varizes com laser. No seu caso, dá para operar com laser? Porque o meu médico não sugeriu cirurgia com laser? saúde para suas pernas! #nopainnovein

Olá Dr. Alexandre Amato cirurgião  vascular do Instituto Amato  e hoje eu vou falar sobre  as indicações da cirurgia  de varizes com laser.  Então quando a cirurgia  de varizes com laser é indicado.  Será que no seu caso?  Essa é uma dúvida muito frequente.  Bom nós temos  o laser transdérmico que é o laser  superficial usado  nas fases iniciais dos vasinhos  e nós temos o laser endovenoso  / endovascular em que a gente coloca  uma fibra por dentro dessa veia  e queima  essa veia, são veias  maiores. Então basicamente  o laser consegue abranger  toda gama de  situações venosas desde as  veias bem superficiais  até as veias mais profundas.  A técnica então do laser  ela pode ser utilizada em qualquer  tipo de veia.  Pode mudar o tipo de laser  mas ela vai ser utilizada.  Agora será que é mais adequada no  seu caso.  Bom, os guidelines internacionais  mais recentes colocam as  termoablações, a cirurgia  com laser, por exemplo, também  a radiofrequência, como  a melhor técnica a ser utilizada  para o paciente.  Por causa da recuperação pós  cirúrgica que é muito mais tranquila  e pela menor invasividade da  técnica. Ahh mais o meu  médico só sugeriu  a cirurgia tradicional.  Bom a cirurgia tradicional continua  funcionando, ela  não deixa de  funcionar.  Há uma diferença muito grande da  tradicional com laser na  recuperação pós cirúrgica a curto  e médio prazo, essa é a grande  vantagem da cirurgia  com laser e a possibilidade  de fazer o laser com  sedação e anestesia local.  Então a cirurgia pode começar  de manhã às 9 horas da manhã  feita com sedação e anestesia local  em torno do meio dia, uma hora,  já está indo embora para casa.  Então  ao  minimizar a invasividade  da técnica a gente começa  a ganhar outros benefícios.  Essa velocidade ao  retornar para casa  vem junto com uma velocidade  para retornar a movimentação.  Então não há grandes períodos  de repouso não há  essa necessidade de ficar  em repouso absoluto e tudo isso  diminui o risco de trombose,  diminui o risco de infecção.  Então existem várias vantagens  na cirurgia com laser  que devem ser conversadas com  seu cirurgião vascular.  Gostou do nosso vídeo?  Assine nosso canal.  Clique aqui no Sininho.  Veja nosso próximo vídeo.  Muito obrigado. 

b) Termoablação por radiofrequência

Essa opção de termoablação da veia acontece por meio de um eletrodo, localizado na extremidade de um cateter fazendo a liberação de energia de radiofrequência. É esse calor que destrói a veia doente.

Existem algumas vantagens nessas duas técnicas em relação aos meios tradicionais de tratamento de varizes: são menos invasivas, produzem menos hematomas e menos dores e garantem ao paciente uma recuperação mais rápida e satisfatória.

A termoablação não é recomendada para pacientes com histórico de trombose da veia safena. Por outro lado, obesos, idosos e pacientes que já tiveram linfedema respondem bem ao procedimento.

É importante salientar que um resultado eficaz do tratamento escolhido depende também do paciente e da sua disponibilidade em seguir as demais orientações repassadas no consultório como reduzir o peso, usar meias compressoras e manter uma alimentação saudável. Só assim é possível, de fato, usufruir de todos os benefícios oriundos do tratamento aplicado.

Como vimos, há diversos tipos de tratamentos de varizes. A indicação de um ou outro vai depender do médico que acompanha o caso, do tipo, tamanho das varizes e necessidade de cada paciente. Por serem procedimentos delicados, é crucial que sejam acompanhados por um especialista vascular. Também é de suma importância que o paciente siga todas as recomendações médicas para uma recuperação eficaz dentro do prazo estipulado.

Veias não visíveis podem ser varizes? O Dr. Alexandre Amato, cirurgião vascular do Instituto Amato (www.amato.com.br) explica a doença venosa e varizes.

Sou o Dr. Alexandre Amato cirurgião  vascular do Instituto Amato e hoje  vou falar sobre as famigeradas  varizes internas.  As varizes internas que todo mundo  já ouviu. Será que elas existem?  será que tem tratamento que a  gente faz? inscreva se no nosso  canal enquanto isso.  Mas vamos lá. Varizes internas não  existem. Se a gente segue a  definição de varizes: Varizes são  veias tortuosas e dilatadas  visíveis a olho nu. Então se elas são internas  não são visíveis  a olho nu não podem ser varizes mas  tem uma razão para a gente usar  esse termo para as pessoas  comentarem.  Quando estou falando de varizes  internas estão falando do  acometimento  do sistema venoso profundo ou de  veias superficiais mais  profundas o suficiente para não  serem vistas a olho nu.  Essas veias sofrem com a  insuficiência venosa com dano na  válvula venosa que  direciona o fluxo do sangue para  cima. Quando ocorre esse dano na  válvula vai haver o refluxo.  Então o sangue ao invés de subir ele  vai começar a descer. Causa a  dilatação dessa dessas veias e,  consequentemente, todos os  sintomas da doença venosa como  inchaço, dor, cansaço, peso  nas pernas. Então quando a gente  fala de varizes internas o  nome correto poderia ser  insuficiência venosa.  A Insuficiência venosa pode ser  tanto do sistema venoso profundo  quanto do sistema venoso  superficial.  Uma insuficiência venosa do sistema  superficial  tem tratamento  tanto clínico quanto o  tratamento cirúrgico.  Já conversei bastante sobre cirurgia  com laser e as facilidades da  cirurgia com laser aqui no nosso  canal. Agora, quando o problema no  sistema venoso profundo então as  varizes internas  do sistema venoso profundo, não  existe um tratamento cirúrgico  adequado ainda para restabelecer  o funcionamento dessas  válvulas então a gente tem que  utilizar o tratamento  clínico com o uso da meia elástica  tratamento medicamentoso.  Medidas de hábitos de vida saudável  fortalecimento da musculatura da  panturrilha e tudo mais que a gente  vive falando aqui no canal.  Então existem varizes internas?  se a gente seguir o nome  literalmente não.  Não existe.  Mas a gente entende  que é a insuficiência venosa do  sistema profundo e aí sim existe  e tem tratamento sim.  Apesar do tratamento não ser o  cirúrgico esperado.  Gostou do nosso vídeo.  Compartilhem.  Inscreva-se no nosso canal.  Clica no Sininho para receber as  notificações e até o próximo. 

Prof. Dr. Alexandre Amato

>
Rolar para cima