fbpx Dissecção de Aorta - Dissecção Aórtica | Clínica Vascular SP
De volta ao topo

Dissecção de Aorta - Dissecção Aórtica

Marque já sua consulta com o vascular

Dissecção da aorta

O que é a dissecção de aorta?

Aorta é o principal vaso sanguíneo que sai do coração e provê o fluxo sanguíneo para o resto do corpo. A aorta é dividida em seções: a aorta ascendente começa do coração e vai até o tórax em direção à cabeça. Seus ramos principais são as coronárias, que fornecem sangue para o coração, o arco aórtico que faz uma curva e libera seus ramos que suprem o cérebro e os braços, a aorta descendente faz seu caminho também no tórax e passa pelo pelos pulmões e diafragma, transformando-se na aorta abdominal. Os ramos da aorta abdominal fornecem sangue para os principais órgãos como o fígado, os rins, o estômago e os intestinos, assim como também para as pernas.

A Aorta é a maior artéria de nosso corpo. A sua parede tem várias camadas, sendo a camada mais interna chamada de “íntima”. Essa camada é feita principalmente de células chamadas endoteliais que estão em contato direto com o sangue. A camada do meio da parede da aorta é chamada de “média”, e contém células musculares e fibras elásticas, que permitem que a aorta contraia e expanda durante o ciclo cardíaco. A camada mais externa é a “adventícia”, esta camada consiste de um tecido conectivo que dá um suporte adicional para a aorta.

A dissecção de aorta é uma condição médica potencialmente fatal, que ocorre quando a camada interna a “íntima”, sofre um dano causando a separação da camada “média. O sangue vai fluir entre as camadas criando um canal que separa as camadas, chamado de dissecção. Você pode ouvir seu médico falar de falso lumem, implicando o que o sangue não deveria estar passando por ali, enquanto que o lumem verdadeiro, onde as camadas não foram danificadas é onde o sangue deveria passar.

A diminuição do fluxo sanguíneo para a aorta dissecada pode levar a danos nos órgãos, ou, devido à fragilidade da parede, pode romper a última camada que é a “adventícia”, a rotura que pode ser fatal.

A dissecção de aorta normalmente ocorre na parte torácica da aorta e pode envolver tanto aorta ascendente quanto a descendente, ou ambas. As dissecções podem ocorrer também na aorta abdominal e outras artérias do corpo, mas é menos frequente.

Existem duas diferentes classificações que são usadas pelos médicos para descrever a localização e a extensão da dissecção de aorta. A classificação de Stanford refere as dissecções tipo A ou tipo B. Tipo A significa que a dissecção envolve aorta ascendente e tipo B significa que envolve a descendente ou a aorta abdominal, sem afetar aorta descendente.

A classificação de Debakey distingue entre a dissecção tipo I, tipo II, tipo III. A tipo I envolve toda a aorta, a tipo II envolve a aorta ascendente somente; e a tipo III envolve a aorta ascendente e o arco aórtico. A dissecção aguda tipo A que envolve a aorta ascendente é uma emergência cirúrgica. É frequentemente fatal se não for detectada  rápida, com uma taxa de mortalidade de 1 a 2% por hora no primeiro dia e até 50% nas primeiras 48 horas, se não for tratada. A dissecção aguda tipo B, que envolve somente a aorta descendente não é tão grave quanto à tipo A, mas a sua mortalidade também é muito alta, em torno de 10% no primeiro mês e, por isso, o tratamento médico rápido é crítico em ambos tipos de dissecção.

Muitas pessoas não estão familiarizadas com a dissecção aórtica, porque ela é relativamente incomum, mas é importante estarmos conscientes das complicações e do desfecho que é fatal para irmos atrás do tratamento mais rápido possível. A sobrevivência é muito melhor se a dissecção for diagnosticada cedo e tratada com o tratamento clínico e cirúrgico que for necessário.

 

Quem tem risco de ter dissecção e o que causa a dissecção?

A dissecção aórtica ocorre em 5 a 30 pessoas a cada um milhão de pessoas, isso afeta tanto homens quanto mulheres de todas as idades, mas ocorre mais frequentemente em homens entre 60 e 80 anos. Os fatores de riscos mais importantes da dissecção são a hipertensão arterial (pressão alta descontrolada) e a aterosclerose, que é o endurecimento da parede das artérias.

Pacientes mais jovens podem ter outros fatores predisponentes, como doenças pré-existentes como aneurisma de aorta, válvula aórtica bicúspide ou lesões inflamatórias como as vasculites, que são as inflamações da parede dos vasos. Algumas condições genéticas também aumentam a chance de uma dissecção aórtica, essas doenças do tecido conectivo chamado colágeno incluem: a síndrome de Marfan, a síndrome de Ehler-Danlos e a síndrome de Loeys-Dietz. Outras mutações genéticas associadas com a dissecção de aórtica também foram identificadas. Na maioria dos casos múltiplos membros de uma família já apresentaram a dissecção de aorta ou aneurisma aórtico. Outras causas menos comuns de dissecção de aorta incluem levantamento de peso de alta performance e uso de cocaína.

 

Quais são os sinais e sintomas da dissecção de aorta?

A maior parte dos pacientes com dissecção de aorta apresenta dor torácica súbita e muito intensa em pontada ou em rasgada, particularmente nas dissecções envolvendo aorta ascendente tipo A. Nas dissecções de aorta descendente tipo B a dor pode ser um pouco mais atrás no tórax ou no abdômen, em ambos os tipos de dor ela é muito intensa e frequentemente descrita como a pior dor que o paciente já sentiu.

Outros sintomas causados pela diminuição do fluxo sanguíneo para os órgãos do corpo incluem o desmaio, náusea, vômito, sudorese, falta de ar ou dor nas pernas. O descontrole da pressão arterial também é muito frequente. A dissecção de aorta também pode causar um ataque cardíaco, uma falha do aguda do coração ou mesmo um acidente isquêmico do cérebro (AVC) por falta de fluxo sanguíneo no coração ou no cérebro. Infelizmente, o diagnóstico da dissecção de aorta pode ser atrasado em alguns casos que não tenha os sintomas típicos ou uma dor muito forte no peito.

Outros sinais de dissecção de aorta em incluem: sopro cardíaco, pulsos fracos nos pés e punhos e uma diferença grande de pressão arterial nos membros superiores direito e esquerdo.

 

Como que é feito o diagnóstico da dissecção de aorta?

Quando há suspeita de dissecção de aorta exames de imagem bem acurados devem ser feitos imediatamente em pronto socorro. Os exames de imagem vão determinar se a dissecção está presente e, se estiver, qual a extensão dela e quais partes da aorta estão envolvidas.

A localização da dissecção determina a urgência da situação e se será necessária cirurgia de emergência.

A tomografia computadorizada é o exame mais frequentemente usado e pode ser feito na maior parte dos hospitais, sendo muito precisa no diagnóstico e para avaliar as características da dissecção, como a localização e extensão. Uma vantagem da tomografia, é que os ramos da aorta também podem ser vistos muito bem e determinar se estão comprometidos. Algumas desvantagens incluem a necessidade de raio x (radiação) e é necessário o uso de um contraste endovenoso (nefrotóxico) e alguns pacientes podem apresentar alergia ou problemas renais.

A ecocardiografia ou simplesmente Eco, pode ajudar no diagnóstico da dissecção de aorta. O eco é um ultrassom do coração e da aorta. O Eco mais simples utiliza um ultrassom sobre o tórax e é chamada de ecografia transtorácica. Em alguns casos, o transdutor pode ser colocado através do esôfago para um exame mais detalhado, sendo chamado de ecografia transesofágica. A vantagem da ecografia é que ela pode ser feita no leito do paciente e os resultados são imediatos. A dissecção de aorta é diagnosticada se dois canais de fluxo de sangue são vistos separadamente por um por um flap (membrana). Ecocardiografia transesofágica da aorta próximo do coração, avaliando um tipo A, enquanto ecografia transesofágica olha a aorta torácica procurando por um tipo A e tipo B, e tem a vantagem adicional da imagem de conseguir ver a válvula aórtica do coração e se ela está doente.

A ressonância magnética também é precisa ao mostrar a aorta, mas não é um exame tão facilmente disponível nas emergências. Então, muito frequentemente, não é utilizada. Além disso, a ressonância magnética é um exame que leva muito mais tempo do que uma tomografia. Tempo que é essencial nessa doença.

 

Como dissecção de aorta é tratada inicialmente?

A dissecção tipo A ou da aorta ascendente, é considerada emergência cirúrgica, porque o paciente possui uma mortalidade muito alta, de 1% a 2 % por hora desde o início dos sintomas. Cirurgia aberta para a dissecção tipo A, normalmente envolve a troca dessa parte da aorta com uma prótese (tubo sintético). A mortalidade da cirurgia para o reparo da dissecção tipo A é alta, mas sem a cirurgia a mortalidade é maior ainda. Algumas vezes a válvula aórtica também precisa ser corrigida ou trocada.

A dissecção tipo B ou dissecção da aorta descendente é muito frequentemente tratada com medicamentos e observação, às vezes sem necessidade de cirurgia imediata. Pacientes são monitorizados bem de perto em uma unidade de terapia intensiva UTI e o tratamento médico consiste em um controle muito rígido da frequência cardíaca e da pressão arterial com medicamentos administrados dentro da veia. Os medicamentos incluem: beta bloqueadores, nitroprussiato, além de outras medicações para controle de dor.

Se uma dissecção aórtica tipo B descendente está complicada com a redução do fluxo sanguíneo para algum órgão vital, como um rim, perna ou fígado a cirurgia pode ser necessária. O tratamento endovascular com a colocação de um Stent é um procedimento menos invasivo onde uma endoprótese é colocada na aorta através de uma artéria da virilha.

Em casos raros, a dissecção tipo B pode causar aumento da aorta, formando um aneurisma que tem risco de ruptura. Nesses casos uma endoprótese endovascular também pode ser uma medida salvadora.

 

E como é a vida após a dissecção de aorta? Como a dissecção de aorta é tratada e monitorizada ao longo dos anos?

Após a dissecção de aorta o controle médico é para vida toda para prevenir problemas da aorta ao longo da vida. Vários especialistas diferentes estarão envolvidos no tratamento médico do paciente com dissecção de aorta no hospital: o cirurgião cardiotorácico, cirurgião vascular e cardiologista, o intensivista, e o angiologista.

Após a alta do hospital o controle ambulatorial deve ocorrer com pelo menos um médico experiente no controle da doença da dissecção aórtica. Inicialmente, a alta hospitalar será focada no retorno à vida normal, o que é muitas vezes uma experiência de quase-morte.

A recuperação física e psicológica pode ser difícil, e a reabilitação pode ser necessária. A condição médica mais importante a ser cuidada é a pressão arterial. A pressão arterial normal é de 120x80 mmHg e pacientes que têm dissecção de aorta tem que ter como alvo este valor. Beta bloqueadores são prescritos para abaixar a frequência cardíaca e a pressão arterial, reduzindo o estresse na parede a aórtica. Porém, muitos pacientes utilizarão mais medicações para controle da pressão.

A monitorização da aorta com exames de imagem seriados é muito importante, porque a aorta pode vazar ou a parede da aorta pode ficar fraca e acabar evoluindo para um aneurisma, que é a dilatação desse vaso. Essas complicações podem ocorrer muitas vezes sem sintoma nenhum e quase um terço dos pacientes vão necessitar de cirurgia posteriormente. A monitorização periódica da aorta pode ser feita com a tomografia ou ressonância magnética, dependendo da preferência do especialista e algumas situações específicas do paciente. Alguns especialistas vão solicitar a tomografia ou a ressonância magnética após 3 meses, 6 meses e 12 meses após a dissecção da aorta para avaliar o risco de crescimento da dissecção de aorta e a fraqueza da parede. Se tudo estiver parecendo bem e estável após os 12 meses os testes de imagem passarão a ser feitos anualmente, com a tomografia ou ressonância.

Pacientes com dissecção de aorta, podem ter aterosclerose ou placas ateroscleróticas de cálcio nas artérias, que podem necessitar tratamento médico adicional para reduzir o risco de um evento cardiovascular, como um infarto cardíaco ou um AVC, por isso o acompanhamento com o cardiologista também é importante. Medicação para afinar o sangue (aspirina ou outras) podem ser prescritas para reduzir esse risco. As estatinas também são prescritas para o controle do colesterol e para reduzir o risco do ataque cardíaco e do AVC. Parar de fumar é simplesmente essencial, a diabetes deve ser controlada e um peso normal deve ser mantido.

 

E sobre os meus familiares?

Pacientes com dissecção aórtica podem ser encaminhados para avaliação genética para identificar alguma causa hereditária, principalmente se muitos membros da família tiverem apresentado algum problema na aorta ou a dissecção envolver aorta ascendente. Mesmo se o teste genético formal não for feito, é recomendado que parentes de primeiro grau sejam rastreados para doenças da aorta. Isso pode ser feito facilmente com o ecocardiograma ou ultrassom da aorta abdominal.

 

Quais as ações devem ser tomadas após a dissecção de aorta?

Exercício físico é importante para todo mundo. Adultos devem focar em pelo menos 30 minutos diários de exercício saudável. Caminhar é uma boa maneira de começar. Um objetivo de 10 mil passos por dia, exercícios leves ou moderados não são problema para dissecção de aorta, mas atividades envolvendo esforço extremo ou máximo devem ser evitados, assim como esportes de contato, exercícios extenuantes, exercícios isométricos, como flexões abdominais, levantamento de peso. Sobre-esforço pode aumentar a pressão arterial e consequente o estresse na parede da aorta, aumentando riscos. É importante que pacientes que sobreviveram a uma dissecção da aorta conversem bastante com seus médicos, sobre seus planos de exercício e a quantidade de peso que é saudável e seguro para se levantar. Uma boa regra e simples é: se alguma coisa não pode ser levantada dez vezes seguidamente então, provavelmente, está muito pesado. Além disso nenhum exercício deve ser feito até o ponto de exaustão.

 

Resumindo, a dissecção de aorta não é tão frequente. É causa de dor no peito e pode ser fatal. Os sintomas incluem: dor extenuante muito forte e a localização depende de que parte da aorta foi afetada. O diagnóstico precoce da dissecção de aorta é importantíssimo para aumentar a chance de sobrevivência. Cirurgia de emergência é sempre necessária para dissecção aórtica tipo A, enquanto tratamento clínico pode ser feito nas dissecções tipo B não complicadas. O controle da pressão arterial é o ponto mais importante do tratamento da dissecção da aorta, principalmente na fase crônica. O controle durante a vida toda por imagens e consultas frequentes ambulatoriais são necessários para monitorar complicações e um possível crescimento de um aneurisma tardio após a dissecção aórtica.

Dissecção Aórtica by Alexandre Amato on Scribd

 

 

Leia mais:

 

Fonte:

  • Enciclopédia Médica
  • "Antiplatelet Treatment Compared with Anticoagulation Treatment for Cervical Artery Dissection (CADISS): A Randomised Trial." The Lancet Neurology 14, no. 4 (2015): doi:10.1016/s1474-4422(15)70018-9.
  • Kim, Joon Bum, Kibeom Kim, Mark E Lindsay, Thomas MacGillivray, Eric M Isselbacher, Richard P Cambria, and Thoralf M Sundt. "Risk of Rupture or Dissection in Descending Thoracic Aortic Aneurysm." Circulation 132, no. 17 (2015): 1620-1629.
    Lundbom, J, J Wesche, S Hatlinghus, A Odegaard, P Aadahl, A Tromsdal, A Karevold, J H Kaspersen, and H O Myhre. "Endovascular Treatment of Type B Aortic Dissections." Cardiovasc Surg 9, no. 3 (2001): 266-71.
  • Sbarzaglia, P, L Lovato, K Buttazzi, V Russo, M Renzulli, C La Palombara, and R Fattori. "Interventional Techniques in the Treatment of Aortic Dissection." La Radiologia medica 111, no. 4 (2006): doi:10.1007/s11547-006-0053-0.

 

Average: 3 (1 vote)

Marque já sua consulta com o vascular

Autor

Prof. Dr. Alexandre Amato: Cirurgião Vascular em São Paulo

Prof. Dr. Alexandre Amato
Cirurgião Vascular, Endovascular e Ecodoppler
Tratamento de varizes com laser(11) 5053-2222
Tudo sobre varizes e doenças vasculares
www.vascular.pro
Clínica de Cirurgia Vascular: Tratamento de VarizesAv Brasil, 2283, São Paulo, SP
FacebookTwitterYoutubeLinkedin

 

Amato, ACM. Cirurgia Vascular: O que você não pode ignorar. 1ª. edição. 2017
Amato, ACM. Procedimentos Médicos: Técnica e Tática. 2ª edição. 2016. Roca 
Amato, MCM. Manual do Médico Generalista na era do conhecimento. 2014. Roca