Ultrassom Doppler: Uma Ferramenta Essencial na Avaliação da Circulação

O ultrassom Doppler, ou dúplex scan, é uma ferramenta indispensável no campo da medicina vascular, oferecendo uma visão detalhada e precisa do sistema circulatório. Este exame desempenha um papel fundamental na detecção e avaliação de uma ampla gama de condições vasculares, desde a identificação de coágulos sanguíneos potencialmente perigosos até a análise da eficácia das válvulas venosas. Através deste artigo, exploraremos como o ultrassom Doppler é utilizado para diagnosticar e avaliar condições como trombose venosa e varizes, evidenciando sua importância crucial na prevenção de complicações sérias, como a embolia pulmonar. Além disso, abordaremos como os resultados do ultrassom Doppler devem ser interpretados por um cirurgião vascular qualificado, garantindo um diagnóstico preciso e um plano de tratamento adequado. O objetivo é destacar a relevância desse exame no diagnóstico e gerenciamento de doenças vasculares, sublinhando sua função essencial na saúde vascular dos pacientes.

Sumário

O vídeo apresenta o Doutor Alexandre Amato que discute a importância e a funcionalidade do ultrassom vascular (ou eco Doppler). Ele afirma que esse exame é amplamente disponível e útil no campo da cirurgia vascular, mas também ressalta que a qualidade e o resultado do exame dependem da competência do examinador, do tempo disponível para a realização do exame e da qualidade do equipamento usado. O doutor também destaca que os exames não são todos os mesmos: um ultrassom bem feito deve durar mais do que vinte minutos e pode trazer as informações necessárias para um diagnóstico preciso. Ele adverte contra a dependência excessiva dos exames clínicos, ressaltando que 90% dos diagnósticos de doenças vasculares podem ser feitos sem a necessidade de um exame. O exame deve ser usado como um complemento à anamnese e ao exame físico.

Olá, sou Doutor Alexandre Amato, cirurgião vascular do Instituto Amato. Hoje vou falar sobre o ultrassom vascular, ou também chamado de eco Doppler. O ultrassom é o eco e o Doppler é o colorido do ultrassom, e tem outros nomes também: mapeamento duplex, triplex e escaneamento ultrassonográfico. É ultrassom venoso, ultrassom vascular, eco Doppler e tudo mais. Então, é um exame, esse, extremamente versátil dentro da cirurgia vascular. É um exame que está disponível fácil, tem em tudo quanto é lugar. Não é difícil achar algum lugar que faça um eco Doppler vascular.

Mas isso traz a responsabilidade também, porque o exame é extremamente examinador dependente e equipamento dependente. Depende do que? Significa que o médico que está fazendo o exame, ele pode ser um individuo competente, ou pode não ser. Ele pode ser um individuo competente, que tem bastante tempo, tem o tempo adequado para fazer o exame, ou pode até ser um individuo competente que tem um tempo curto, porque o local onde ele está fazendo demanda vários exames em pouco tempo, e o exame não sai tão bom assim.

E até o equipamento tem um impacto muito grande. Hoje em dia, as máquinas de ação, as mais modernas, são todas muito boas. As máquinas mais antigas podem ter alguma limitação, algum filtro ou alguma coisa que ela não mostre adequadamente. Mas o desempenho do aparelho, então, ele é muito dependente do tempo que o médico tem para fazer, do próprio médico e do equipamento.

Isso significa para você, o que? Que um exame não é igual ao outro exame. Então, muitas vezes, surge aquela sensação de que todo o ultrassom é igual, todo exame de sangue é igual, toda a biópsia é igual, todo exame vai ser igual, independente do local onde ele é realizado. Isso não é verdade. No ultrassom, isso aparece muito evidente, é muito frequente a gente pegar um exame que é feito no local, eu já peguei exame feito em dois minutos. São exames ruins, não possuem nada de informação útil ali.

Então, o exame bem feito, ele vai ter mais que 20 minutos. No exame venoso, por exemplo, no mínimo, o paciente vai ser examinado de pé, às vezes deitado também. Então, quando compensa muito tempo, acaba perdendo muita informação importante.

Às vezes chega no médico vascular e traz um exame, “eu já fiz o exame, tá tudo ok, não tem problema nenhum”. Aí eu falo, “Ah, tem que fazer um outro exame”. “Qual exame vamos fazer agora?” “O mesmo, só que agora a gente vai fazer num local em que eu confio”. Nem sempre se tem aquela sensação. Aqui, não estou tentando forçar a barra para fazer o exame, mas é completamente diferente.

É extremamente frequente a gente pegar um exame que diz uma coisa e depois outro exame que diz outra.

Isso sem falar sobre os protocolos diferentes. O exame de veias da perna, só a título de um exemplo, ele pode ser feito para identificar trombose. Então o exame vai trazer como única informação se tem ou não tem trombose. Ponto.

Esse exame rápido, feito para pronto-socorro, ele é feito para ser assim mesmo – exame rápido. E ele não vai falar nada sobre insuficiência venosa, sobre refluxo venoso, ou um mapa venoso para planejamento cirúrgico terapêutico de varizes.

Por exemplo, o paciente que chega com um eco doppler feito para trombose e quer tratar varizes, ele vai precisar fazer um mapeamento adequado para identificar as veias que estão doentes. Apesar de ser o mesmo equipamento, às vezes o mesmo médico, mesmo transdutor, mesmo tudo. Muitas vezes é necessário fazer um novo exame, mas com protocolo diferente.

O protocolo é simplesmente o que o médico está olhando. Quando o protocolo é para trombose venosa profunda, ele vai simplesmente responder: tem trombose ou não tem. Quando o protocolo é para planejamento cirúrgico de varizes, ele vai te dar um mapa de onde estão os problemas que devem ser tratados.

Aqui no Instituto Amato, a gente tem, por exemplo, um protocolo para o linfedema. O protocolo para lipedema, que é a medida do panículo adiposo em membros inferiores, ele não é feito em todos os laboratórios. Para falar a verdade, em pouquíssimos até. E o que nós estamos falando? Porque não é a rotina desses médicos. Então aqui é a nossa rotina.

Então, muitas vezes, eu solicito que um eco Doppler seja feito para o mapeamento venoso, mas que vai me trazer também a informação adicional sobre o panículo adiposo do lipedema.

Então se tiver qualquer dúvida sobre o exame realizado, converse com seu cirurgião vascular. Não leve a ferro e fogo tudo que está escrito no laudo. Tem que entender como que esse laudo foi feito e qual o objetivo desse laudo. Muitas vezes, até o objetivo pode mudar a maneira como o médico escreve o laudo.

Então eu já peguei paciente com varizes visíveis, todo mundo conseguia olhar e fazer o diagnóstico de varizes. Aí ele foi fazer exame e vem com o laudo “sem varizes”. Está! Mas por quê? Porque o médico não estava olhando para aquelas veias superficiais dilatadas. Ele estava olhando simplesmente para o sistema mais profundo.

Então, entender o objetivo, a razão pela qual está sendo feito o exame, ajuda. O médico que está fazendo exame, a escolha de um bom laboratório também é essencial. Tem muito laboratório por aí. Infelizmente, não posso sair falando o nome, mas tem muito laboratório que faz um exame de má qualidade e diz que fez o exame. Então, eu não tenho muito como argumentar sem falar nomes aqui, contar as diversas histórias de exame errado que eu já vi.

Mas o diagnóstico está na clínica, está na conversa, na anamnese. Noventa por cento das doenças vasculares, o médico faz o diagnóstico sem a necessidade do exame. O exame veio para corroborar o seu diagnóstico, ou para auxílio no tratamento, para planejar o tratamento cirúrgico ou clínico.

Então, ele vem como complemento ao exame físico, anamnese. A gente nunca deve tratar o exame. Exatamente por causa disso, o exame pode estar falho, e ele tem que ter a correlação com as queixas do paciente.

Gostou do nosso vídeo? Inscreva-se no nosso canal, curta, compartilhe e até o próximo!

E aí? A música é…

O ultrassom Doppler, também conhecido como dúplex scan, é uma ferramenta diagnóstica vital na medicina vascular, desempenhando um papel crucial na detecção e avaliação de uma variedade de problemas circulatórios.

O Papel do Ultrassom Doppler

O ultrassom Doppler é amplamente utilizado para avaliar o fluxo sanguíneo nas veias e artérias. Através dele, os médicos podem visualizar a anatomia dos vasos sanguíneos, detectar a presença de coágulos (trombos) e avaliar a funcionalidade das válvulas venosas.

Diagnóstico de Trombose Venosa

Quando o ultrassom Doppler identifica coágulos nas veias profundas, isso indica a presença de trombose venosa. Este diagnóstico precoce é fundamental para a prevenção de complicações, como a embolia pulmonar, que pode ser fatal.

Avaliação de Varizes

O ultrassom Doppler também é essencial no diagnóstico de varizes. O equipamento pode detectar insuficiência valvar, onde as válvulas das veias não funcionam adequadamente, causando refluxo sanguíneo e dilatação venosa. Além disso, varicosidades e ectasia venosa (dilatação das veias) podem ser visualizadas e avaliadas.

Importância do Diagnóstico Profissional

Apesar de ser uma ferramenta diagnóstica poderosa, o ultrassom Doppler é apenas uma parte do processo de avaliação. A interpretação dos resultados e a definição do plano de tratamento mais adequado devem ser realizadas por um cirurgião vascular experiente, que pode considerar todos os aspectos clínicos do paciente.


O ultrassom Doppler é, portanto, uma ferramenta diagnóstica indispensável na detecção e avaliação de doenças venosas, como trombose venosa e varizes. Ele permite uma visualização detalhada da estrutura e funcionalidade dos vasos sanguíneos, contribuindo significativamente para a precisão diagnóstica e o sucesso do tratamento. No entanto, a avaliação completa e o acompanhamento por um cirurgião vascular qualificado são essenciais para garantir um tratamento eficaz e personalizado para cada paciente.

>
Rolar para cima
error: Alert: Content selection is disabled!!