Por que a prisão de ventre é mais comum em mulheres?

()

A prisão de ventre, também chamada de constipação intestinal, é um problema de saúde muito incômodo que afeta boa parte da população brasileira. Mas, ela é muito mais comum em mulheres. Além da influência dos hormônios, os comportamentos sociais e as características biológicas do público feminino contribuem para o aumento dessa condição. Saiba mais sobre os principais motivos causadores da prisão de ventre em mulheres e o que fazer para lidar com os sintomas.

Prisão de ventre afeta mais as mulheres. Por quê?

Uma alimentação saudável, rica em fibras e a ingestão correta de água, além de outros hábitos saudáveis são recomendações básicas para evitar a prisão de ventre. Mas, mesmo seguindo essas orientações é possível que as mulheres ainda tenham que enfrentar essa situação. Saiba agora as razões para isso.

A culpa é dos hormônios

As mulheres costumam sofrer muito com a atuação dos hormônios principalmente em duas fases da vida: durante a menstruação e na menopausa. Eles interferem diretamente nos movimentos peristálticos do intestino e atrapalham o seu funcionamento ideal.

Muitas mulheres relatam que durante o período menstrual, por exemplo, o intestino fica alterado, às vezes mais solto e às vezes mais preso. Isso mostra que há uma relação forte entre o intestino e os hormônios sexuais femininos que ficam mais estimulados durante esse período.

Vergonha e timidez

As mulheres costumam sofrer mais com vergonha e timidez principalmente quando o assunto é evacuação. Muitas delas evitam usar o banheiro de amigos, parentes ou no trabalho. Se aparecer a vontade de defecar, elas esperam até chegar em casa que é onde se sentem seguras.

Esse comportamento é muito comum e acompanha as mulheres desde a adolescência. Mas também é muito prejudicial. A partir do momento que o intestino não consegue expelir as fezes, esse material fica ressecado e acumulado provocando não só a constipação, mas outros problemas de saúde como dores abdominais, excesso de gases e inchaço na região.

Características biológicas das mulheres

Gravidez, menstruação e menopausa são acontecimentos típicos na vida de uma mulher. E influenciam também no funcionamento do intestino, fazendo com que ele não execute as suas funções corretamente. O resultado desse desequilíbrio é a temida prisão de ventre.

Durante a gravidez, por exemplo, há uma incidência maior dos hormônios sobre o organismo, enquanto o útero pressiona a região do intestino impedindo que ele funcione como deveria.

Já a menopausa compromete os músculos da região intestinal, provoca oscilações de humor e libera o cortisol em uma quantidade maior do que normal. Todas essas alterações atingem o intestino que fica mais preguiçoso, provocando a constipação.

Em tempo, o cortisol é o hormônio que está diretamente ligado aos níveis de estresse no corpo humano e sua presença em excesso contribui para vários problemas gastrointestinais, incluindo a prisão de ventre.

Envelhecimento

A idade avançada também é um fator que aumenta os casos de prisão de ventre em mulheres. Homens e mulheres envelhecem, mas, no público feminino, a velhice está associada à menopausa e à fragilidade muscular da região que compreende o intestino. Logo, é um fator que exige atenção.

Quais são os sintomas da prisão de ventre?

Os principais sintomas da constipação intestinal são:

  • Inchaço na região abdominal;
  • Dores e cólicas intestinais;
  • Flatulência;
  • Dor e dificuldade na hora de evacuar;
  • Fezes ressecadas;

É importante destacar que, além de provocar diversos sintomas altamente desagradáveis, a prisão de ventre também gera consequências diversas como: hemorróidas, fissuras na região do ânus e medo prévio de usar o banheiro por causa das dores.

Como evitar a prisão de ventre?

Como já dissemos, é preciso um conjunto de práticas para combater e lidar com a prisão de ventre como manter uma alimentação saudável, se exercitando e dormindo bem. Veja como fazer isso no seu dia a dia.

Consuma alimentos ricos em fibras

As fibras que ajudam a construir o bolo intestinal. As fibras estão presentes nas frutas com casca, verduras, vegetais e legumes. Sementes como linhaça, chia, semente de girassol e de abóbora também são ricas em fibras e combatem os sintomas da TPM.

Esses alimentos são conhecidos como laxantes naturais e podem ser consumidos todos os dias, em pequenas porções, sempre com ingestão adequada de água.

Beba água

Também é necessário beber bastante água ao longo do dia para evitar o ressecamento das fezes. Não negligencie esse hábito. É uma medida simples, mas com grandes efeitos na sua saúde.

Pratique atividade física

Sair do sedentarismo faz um bem enorme à saúde. Além de combater o sobrepeso, se exercitar melhora a circulação sanguínea fazendo com que os músculos do intestino também funcionem melhor.

Vá ao banheiro quando sentir vontade

Essa é uma tarefa bem difícil para algumas mulheres, mas que deve ser pensada com carinho. Sempre que possível faça as suas necessidades na hora em que o intestino der o alerta. Com o tempo e a prática, esse ato se torna mais fácil, comum e menos dolorido.

O período da manhã é considerado o melhor horário para a evacuação. Tente programar o seu organismo para esse momento e faça com que ele seja tranquilo, sem pressa.

Evite os picos de cortisol

Vimos que o cortisol é um dos hormônios que mais afeta o corpo da mulher e ele é liberado em situações de estresse. Evite ter esses momentos fazendo tarefas que você gosta, descansando, dormindo bem e evitando conflitos.

Evite remédios para liberar o intestino

Fuja de receitas caseiras consideradas milagrosas ou remédios que prometem evacuar o seu intestino. Com o tempo, essas interferências acabam piorando a prisão de ventre principalmente se as causas do problema não forem tratadas. Siga sempre a recomendação médica.

Como diminuir os sintomas da prisão de ventre em mulheres?

Além de seguir as dicas para evitar a prisão de ventre, é importante tentar amenizar os sintomas quando eles surgirem. Confira algumas dicas:

Massagem abdominal

Faça massagens circulares, em sentido horário, na região da barriga, seguindo o formato do seu intestino. A massagem elimina parte dos gases e favorece a eliminação das fezes.

Respeite o seu momento

Especialmente no período menstrual, evite situações de estresse, alimente-se melhor, beba mais água, descanse bastante e evite conflitos. A mulher deve se cuidar sempre, mas durante a menstruação tudo fica diferente, portanto, o cuidado também deve ser redobrado.

Procure ajuda médica

Caso a prisão de ventre continue incomodando mesmo depois de você seguir todas as recomendações, procure ajuda médica e investigue a real causa do problema. O acompanhamento de um especialista é sempre muito importante.

A prisão de ventre é uma doença muito comum e as mulheres são as que mais sofrem ao longo da vida, seja na fase jovem ou adulta. A prevenção e o combate aos sintomas devem ser constantes para evitar os transtornos provocados e a incidência de outras doenças decorrentes desse problema.

 

O que você achou deste artigo?

Clique nas estrelas

Média da classificação / 5. Número de votos:

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Como você achou esse post útil...

Sigam nossas mídias sociais

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você!

Vamos melhorar este post!

Diga-nos, como podemos melhorar este post?

nv-author-image

Alexandre Amato

O Dr Alexandre Amato é médico, professor de cirurgia vascular da Universidade de Santo Amaro (UNISA), e tem quatro especialidade médicas reconhecidas pelo MEC e respectivas sociedades: cirurgião geral, cirurgião vascular, angiorradiologista e ecografista. Formou-se na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e especializou-se em vários hospitais privados e públicos em São Paulo. Aprofundou-se em cirurgia vascular em Milão, no hospital San Raffaele da Università Vita-Salute. Quando voltou, fez seu doutorado em cirurgia cardiotorácica na Universidade de São Paulo (USP). Fundou a Associação Brasileira de Lipedema para divulgar conhecimento de qualidade às mulheres portadoras de Lipedema.