DAOP: Quando a perna infarta

  • admin 
Doença arterial obstrutiva Periférica
()
A Claudicação Intermitente é a manifestação mais comum da Doença Arterial Obstrutiva Periférica (DAOP).
É um desconforto ou dor no quadril, glúteos, coxas, panturrilha ou pés que limita a distância para caminhar e geralmente é aliviada com o repouso por 2 a 3 minutos. Entre os pacientes com DAOP mais grave há incidência de 60% de doença coronariana. Estima-se que 40% dos pacientes com DAOP sejam sintomáticos. Esse quadro resulta em riscos que podem ser evitados quando os pacientes seguem rigorosamente as orientações médicas, retornam às consultas quando solicitado e tomam corretamente os medicamentos prescritos pelo médico, além do controle absoluto dos fatores de risco como fumo, obesidade, diabetes e colesterol elevado.
Principais sintomas: 
A principio a claudicação intermitente aparece depois de caminhadas relativamente extensas ou grandes esforços, como o ato de subir escadas ou ladeiras. Porém, com a evolução do quadro obstrutivo, diminui a distância para o aparecimento da dor e aumenta o tempo necessário para recuperação. Sua manifestação mais comum é descrita como uma dor tipo cãimbra durante a caminhada, melhorando com a interrupção da mesma. A DAOP é provacada por um estreitamento gradual da luz (cavidade interior) das artérias geralmente causado por placas ateroscleróticas (placas de gordura) A dor pode ser referida como localizada mais comumente nos músculos da panturrilha, mas também pode se localizar nos pés, coxas ou nádegas, dependendo do nível da obstrução arterial.
Pode ocorrer ainda
  • dor nas pernas
  • sensibilidade ao frio (pés difíceis de aquecer ou frios)
  • Adormecimento ou formigamento dos pés ou dedos dos pés
  • impotência sexual
  • Alteração da cor da pele (coloração azulada ou avermelhada, palidez)
  • e em casos mais graves feridas que não cicatrizam
Fatores de risco
  • Idade acima de 50 anos
  • Diabetes
  • Tabagismo
  • Obesidade
  • Pressão Alta (hipertensão arterial)
  • Falta de exercício (sedentarismo)
  • Aumento de colesterol e triglicerides (dislipidemia)
  • Doença coronariana (angina, infarto)
  • História familiar de doença aterosclerótica
Mudança no estilo de vida
Para o sucesso de qualquer tratamento é fundamental que se tome algumas medidas visando mudar o estilo de vida:
  • prática de exercício físico
  • controle rigoroso do peso, hipertensão, colesterol e diabetes
  • abandono do tabagismo
  • abandono ou limitação de bebidas alcóolicas
  • dieta saudável e balanceada
Lembre sempre:
Siga rigorosamente as orientações médicas. O médico é o profissional mais indicado para cuidar do seu caso e tratar da forma mais adequada, visando sempre os melhores resultados para sua saúde. E o cirurgião vascular é o especialista na doença vascular periférica.
 

O que você achou deste artigo?

Clique nas estrelas

Média da classificação / 5. Número de votos:

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Como você achou esse post útil...

Sigam nossas mídias sociais

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você!

Vamos melhorar este post!

Diga-nos, como podemos melhorar este post?

nv-author-image

Alexandre Amato

O Dr Alexandre Amato é médico, professor de cirurgia vascular da Universidade de Santo Amaro (UNISA), e tem quatro especialidade médicas reconhecidas pelo MEC e respectivas sociedades: cirurgião geral, cirurgião vascular, angiorradiologista e ecografista. Formou-se na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e especializou-se em vários hospitais privados e públicos em São Paulo. Aprofundou-se em cirurgia vascular em Milão, no hospital San Raffaele da Università Vita-Salute. Quando voltou, fez seu doutorado em cirurgia cardiotorácica na Universidade de São Paulo (USP). Fundou a Associação Brasileira de Lipedema para divulgar conhecimento de qualidade às mulheres portadoras de Lipedema.