Remédios para Emagrecer e Seus Efeitos na Saúde Vascular

A busca por métodos rápidos de emagrecimento muitas vezes leva as pessoas a optarem por remédios para emagrecer, mas é crucial entender os possíveis impactos positivos e negativos desses medicamentos na saúde vascular. Este artigo discute os efeitos dos remédios para emagrecer na saúde vascular e oferece alternativas saudáveis para a perda de peso.

Sumário

O Dr. Alexandre Amato discute a relação entre a obesidade e as doenças vasculares em seu vídeo. Ele explica que a obesidade é frequentemente associada a doenças vasculares e que os sintomas de ambas podem ser interligados, tornando difícil distingui-los um do outro. A obesidade é definida pelo Índice de Massa Corporal (IMC), com um IMC acima de 25 sendo considerado sobrepeso e um IMC acima de 30 sendo considerado obesidade. No entanto, ele esclarece que o IMC tem limitações, pois um atleta musculoso, por exemplo, pode ter um IMC alto sem ter excesso de gordura.

Dr. Amato enfatiza a importância de evitar o efeito sanfona (flutuações constantes de peso), observando que até mesmo uma pequena perda de peso pode ter um impacto significativo na saúde e nas doenças vasculares. Ele também discute o papel dos alimentos pobres e baratos no agravamento da obesidade e sugere o uso de medicação para facilitar a adesão ao tratamento de perda de peso. Além disso, o sedentarismo é salientado como um fator agravante para a obesidade.

Quanto à relação entre obesidade e doenças vasculares, Dr. Amato explica como a obesidade afeta diferentes problemas vasculares, como doenças arteriais, problemas venosos, problemas linfáticos e Lipedema. Ele pontua que a obesidade e a inflamação estão interligadas, criando um ciclo que pode piorar tanto a obesidade quanto o Lipedema. Ele enfatiza a necessidade de tratar a obesidade em conjunto com qualquer problema vascular e incentiva os pacientes a procurar assistência de um especialista se seu médico vascular estiver relutante em abordar problemas de obesidade.

Olá! Sou o Dr. Alexandre Amato, cirurgião vascular do Instituto Amato e, hoje, eu vou falar sobre como a obesidade agrava as doenças vasculares.

Muitas vezes, a obesidade e as doenças vasculares andam juntas, e não conseguimos separar uma da outra. Às vezes, o sintoma de uma doença é por causa dessa doença vascular, mas é agravado por causa da obesidade, ou o sintoma da obesidade é que a doença vascular só está lá numa fase que seria assintomática. É difícil separar os sintomas.

Então, esse aspecto influencia na obesidade e nas doenças vasculares, e é importantíssimo para todos. A obesidade, hoje em dia, é reconhecida como a deposição de gordura corporal causada por um aumento de absorção energética. Se você come mais do que consegue ou gasta de energia, você vai acabar acumulando essa gordura no corpo todo.

Ela difere do Lipedema, onde esse acúmulo de gordura pode ocorrer sem necessariamente uma ingestão maior energética, pois acontece por causa da inflamação do sistema linfático e, necessariamente, em membros, não em tronco. Então, a obesidade difere do Lipedema, mas elas também podem andar juntas.

A obesidade é definida pelo IMC, que é o Índice de Massa Corpórea. O IMC, você pode fazer o cálculo: têm várias calculadoras. Vou colocar um link aqui embaixo de uma calculadora para você calcular o seu IMC.

Mas o IMC acima de 25 é considerado sobrepeso, e o IMC acima de 30 já é considerado obesidade. O IMC tem algumas falhas, então, quando pegamos um halterofilista como exemplo, ele pode ter um IMC muito alto sem nada de gordura. Logo, para ele, o IMC não significa obesidade. O IMC serve para avaliação de população em geral, ajuda na avaliação individual, mas não é o único critério que vamos utilizar.

Por exemplo, uma paciente com Lipedema pode ter o IMC de 30 e não ser obesa. Esse é um conceito importante.

Agora, quais são as atualidades aí sobre a obesidade?

Primeiro, o que devemos evitar é o efeito sanfona. O ato de emagrecer e engordar repetidamente é muito pior do que manter um peso constante, mesmo que acima do ideal.

Outro aspecto é que qualquer perda de peso é significativa e é importante para a sua saúde. Se você consegue perder 5% do peso corporal, isso já vai influenciar muito positivamente na sua saúde em geral e nas doenças vasculares.

Lembrando outra coisa que eu já falei em outros vídeos é que os alimentos ruins são os mais baratos. Se você for a um fast food, vai fazer uma refeição relativamente barata, mas ela é a pior de todas. Portanto, vai ser uma refeição repleta de carboidratos e alimentos muito processados, e que piora a obesidade.

O emagrecimento rápido facilita a adesão ao tratamento, então, muitas vezes, é necessário entrar com medicação logo no início. Eu sei que muitas pessoas têm aversão ao uso de medicação para emagrecer: “Ah, vou emagrecer só com dieta. É possível?” Sim, é possível! Mas o uso de medicação no início e a perda de peso faz a diferença e ajuda a aderir ao tratamento.

Não evite o uso de medicamentos, se for necessário e indicado pelo seu médico.

Para a obesidade – isso não vale para o Lipedema -, a dieta com baixa ingestão calórica vai causar um déficit entre o que você está comendo de energia e o que você está gastando, assim, vai acabar, obviamente, usando suas reservas naturais para energia, e vai acabar emagrecendo. Matemática básica!

Lembrando que a obesidade sempre vem junto com o sedentarismo. O sedentarismo causa obesidade e a própria obesidade acaba incentivando o sedentarismo.

Agora vou falar da obesidade com cada um dos problemas vasculares.

Dividimos a cirurgia vascular e encontramos problemas arteriais, problemas venosos, problemas linfáticos e o Lipedema junto com os problemas linfáticos.

Doenças arteriais são as doenças das artérias, a mais comum é a aterosclerose, que é a deposição de placas que entopem essas artérias e não permite o sangue chegar nos membros. Vocês já devem ter visto casos de gangrena, necrose, pessoas que precisaram ser amputadas. Isso é a fase final da aterosclerose, mas ela começa muito mais cedo na vida e podemos preveni-la evitando a obesidade.

Do ponto de vista de problema venoso, o mais frequente é a insuficiência venosa, como as varizes. A insuficiência venosa é basicamente o refluxo do sangue, o sangue que deveria subir na perna, ele desce, dilata essa veia e nós temos o nosso mecanismo de retorno venoso, que bombeia o sangue de volta para o coração. A panturrilha é o principal.

Então, o paciente obeso vai ter uma piora da insuficiência venosa, vai ter uma piora das varizes, e ainda vai ser agravado pelo sedentarismo, que não vai utilizar a musculatura da panturrilha para bombear o sangue de volta para cima.

Problemas linfáticos ocorrem pela dificuldade de retorno da linfa para a circulação, que também ocorre pela panturrilha. Então, se for sedentário, vai ter uma retenção maior de líquido do sistema linfático e isso aumenta o risco de infecção.

Agora vou falar do Lipedema. Este tem um aspecto bem característico, que são pacientes que têm uma dificuldade enorme de perder a gordura das pernas mesmo com dieta e exercício físico direcionado. Lipedema é relativamente fácil, mas quando temos Lipedema junto com a obesidade, tem que ser abordado de forma diferente e tratado de forma diferente.

É óbvio que a obesidade causa inflamação e a inflamação piora a obesidade e o Lipedema, os sintomas do Lipedema entram nesse ciclo vicioso. Algumas pessoas perdem o controle disso e acabam piorando o quadro de maneira gradativa.

Acho que é responsabilidade do médico, do cirurgião vascular, o tratamento associado da obesidade. Portanto, não basta o paciente vir aqui com um problema venoso, arterial, linfático ou mesmo o Lipedema e entregarmos o tratamento somente dessa doença.

Temos que dar a informação e condições para o tratamento da obesidade também. Como eu disse já nesse vídeo, o uso da medicação ajuda a acelerar esse processo, ganhando a adesão ao tratamento.

Agora, se o seu cirurgião vascular não for adepto do tratamento da obesidade associado, não se acanhe, busque outro médico para fazer o tratamento da obesidade, pode ser um endocrinologista, um clínico. Há vários médicos que são dedicados ao tratamento da obesidade. Mas não deixe de fazer, é necessário a concomitância!

Gostou desse vídeo? Assine nosso canal, clique no sininho para receber as notificações e até o próximo!

Entendendo a Saúde Vascular

A saúde vascular diz respeito ao bom funcionamento do sistema circulatório, que inclui artérias, veias e capilares. Um sistema vascular saudável é fundamental para o transporte eficiente de sangue, oxigênio e nutrientes por todo o corpo, além de ser essencial na remoção de resíduos e toxinas. Problemas vasculares podem levar a condições graves, como doenças cardíacas, hipertensão e trombose.

Remédios para Emagrecer e Saúde Vascular

Os remédios para emagrecer podem ter efeitos variados na saúde vascular. Alguns podem:

    • Aumentar a pressão arterial;
    • Alterar os níveis de colesterol no sangue;
    • Aumentar o risco de problemas vasculares, como coágulos sanguíneos.
Entretanto, a diminuição de peso remove um dos maiores fatores de risco para as doenças vasculares que é a obesidade.
É fundamental evitar o uso desses medicamentos sem supervisão médica devido aos riscos potenciais à saúde vascular e outros efeitos colaterais.

Como Emagrecer de Forma Saudável

 

Emagrecer de forma saudável e sustentável envolve uma combinação de dieta balanceada, exercício físico regular e um estilo de vida saudável:

    • Consulte um Profissional de Saúde: Antes de iniciar um programa de emagrecimento, consulte um médico ou nutricionista.
    • Estabeleça Metas Realistas: Metas radicais ou restritivas são insustentáveis e prejudiciais à saúde.
    • Alimentação Equilibrada: Prefira uma dieta rica em frutas, vegetais, proteínas magras e grãos integrais.
    • Exercício Regular: A atividade física é crucial para a perda de peso saudável.
    • Hidratação Adequada: Muitas vezes, a sede pode ser confundida com fome.
    • Durma Bem: O sono adequado é importante para regular o apetite e o metabolismo.

Efeitos Colaterais dos Remédios para Emagrecer

 

Além de possíveis impactos na saúde vascular, os remédios para emagrecer podem causar outros efeitos colaterais, como alterações de humor, problemas digestivos e até dependência. Devem ser tomados somente sob supervisão médica.

Conclusão

Embora os remédios para emagrecer possam parecer uma solução rápida, eles podem apresentar riscos significativos à saúde vascular e geral. A perda de peso saudável deve ser abordada de maneira holística, com foco em mudanças de estilo de vida sustentáveis, sob orientação de profissionais de saúde. Lembre-se de que a saúde vascular é fundamental para o bem-estar geral, portanto, qualquer preocupação nessa área deve ser discutida com um cirurgião vascular.

>
Rolar para cima
error: Alert: Content selection is disabled!!